Poder Executivo

Prefeitos da AMREC participam da Marcha a Brasília e avaliam discurso do Presidente Bolsonaro

Oito prefeitos da região da AMREC estão em Brasília

Divulgação/Antonio Rozeng/Assessoria AMREC

A grande expectativa dos prefeitos que participam do XXII Marcha a Brasília, nesta terça-feira (09) era com relação a plenária de abertura, com a participação do Presidente da República, Jair Bolsonaro, e ainda dos presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre. O que se esperava era anúncios mais contundentes com relação ao Pacto Federativo.

No entanto, o Presidente parece que decepcionou os presentes, com poucos anúncios concretos. Em discurso, Jair Bolsonaro disse que nesta quarta-feira (10) será anunciado detalhes do 13º salário do programa Bolsa Família e falou num aumento do percentual do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). “Vamos dividir o pouco que temos com o Pacto Federativo”, afirmou.

Na avaliação do segundo vice-presidente da AMREC e prefeito de Içara, Murialdo Canto Gastaldon, a fala do presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Glademir Aroldi, foi precisa, fazendo um mosaico do que é a administração municipal em todos as suas áreas, da importância do prefeito e de sua equipe no desenvolvimento do município e as formas como os serviços são financiados. “Ele foi preciso a partir desse diagnóstico, da carência dos financiamentos do Governo Federal”. Já sobre o discurso do presidente da república, Murialdo acha que foi genérica. “Ele falou em Deus, falou das viagens que fez e fará, da importância da união, mas não falou dos programas que ele pretende lançar no seu Governo em relação aos municípios”, disse.

O prefeito de Cocal do Sul, Ademir Magagnim, também analisou os discursos, onde segundo ele o presidente da CNM foi muito bem, focando o discurso na cobrança das reformas. “O discurso do presidente da CNM foi direto e enfático sobre aquilo que precisa ser feito no Brasil”, sublinhou. Magagnim disse que acha que o presidente da Câmara e também o do Senado entenderam o recado, que as reformas são necessárias. Já com relação ao discurso do Presidente, ele acha que a fala foi no sentido de pedir apoio da população, para realização das reformas e para viabilizar mais discursos dos municípios.

Discursos

No início da plenária, o presidente da CNM, Glademir Aroldi, fez um discurso cobrando o Pacto Federativo, pedindo foco no compromisso assumido no evento do ano passado, quando ainda era presidente. Lembrando que os percentuais investidos em saúde e educação, por parte dos municípios é muito maior, do que os valores obrigatórios por lei, de 15% e 25%, respectivamente. “Os recursos financeiros precisam chegar aos municípios”, discursou, referindo-se aos novos programas + Brasil, que devem ser anunciados. Falou do Fundeb, alertando que o programa encerra em 2020 e cobrou um novo fundo. A reforma da previdência também foi pauta do discurso, pedindo atenção especial para os agricultores.

Câmara e senado

O ponto mais importante no discurso do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, foi o pedido de apoio dos prefeitos para realização da reforma da previdência. Disse que não gostaria de fazer da maneira que ela está, mas que é necessário. Já o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, tratou da PEC 34, que obriga o pagamento das emendas parlamentares. Que é necessária mais agilidade da destinação dos recursos e que é necessário avanço do Pacto Federativo.

O discurso de Bolsonaro

Bolsonario iniciou seu discurso pedindo apoio. “Temos uma encruzilhada para enfrentar”, disse, se referindo a reforma da previdência. Segundo ele, assim como afirmou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, ele não gostaria de fazer a reforma. “Mas temos”, declarou. Foi enfático falando que é necessário investir em ciência, tecnologia, inovação para não depender de outros países. Anunciou o 13º salário para o Programa Bolsa Família, que será lançado amanhã. Disse que o país precisa formar bons professores, para que sejamos bons pais, empresários e profissionais. “A educação não é para formar militantes”. Anunciou que viajará nos próximos meses a China, aos países árabes e voltará aos Estados Unidos. Falou que é necessário explorar a Amazônia com responsabilidade. Pediu união e disse que é necessário escutar o povo, para saber para onde o povo quer ir. E encerrou falando de Pacto Federativo. “Vamos dividir um pouco que temos com o Pacto Federativo”, arrematou.

Marcha ao STF ainda hoje

O presidente da CNM, falou ainda da distribuição dos recursos do Petróleo. Pediu para que seja distribuído ainda este ano e convocou os presentes para realizar uma marcha até o Supremo Tribunal Federal (STF) no fim da tarde, marcada para as 17h15.

Oito prefeitos da região da AMREC estão em Brasília. Além de Içara e Cocal do Sul, estão os prefeitos de Lauro Müller, Orleans, Nova Veneza, Forquilhinha, Morro da Fumaça e Siderópolis. Acompanham a delegação da região ainda o presidente da Câmara de Vereadores de Içara, Rodrigo Mendes, o Sapinho, e o diretor executivo da AMREC, José Roberto Madeira.

Notícias Relacionadas

Momento preocupante nas regiões da Amrec e da Amurel por causa da forte chuva

Defesa Civil, Bombeiros e Polícia Militar atuam no socorro em várias cidades da região

Projeto Ver retorna ao Sul do Estado com 990 cirurgias de catarata

Nesta quarta-feira (14), iniciam as cirurgias de catarata para 207 pacientes da Amrec, em Nova Veneza, e da Amurel, em Braço do Norte.

Presidente da AMREC reúne presidentes das Câmaras de Vereadores para tratar de Consórcio Multifinalitário

Pelos trâmites, o protocolo de intenções já foi assinado por todos os prefeitos e segue agora para as câmaras.

Tribunal de Contas realiza XVII Ciclo de Estudos amanhã em Criciúma