Geral

Prefeitura de Araranguá terá que licitar boxes do camelódromo

Comerciantes ocupam a estrutura, instalada em área pública, amparados por um Decreto Municipal que contraria a Constituição Federal e a Lei de Licitações.

Foto: Correio do Sul

O Ministério Público de Santa Catarina obteve na Justiça a determinação para que, em até seis meses, o município de Araranguá conclua processo de licitação para os boxes do Comércio Popular Municipal, o chamado “camelódromo”. Os atuais ocupantes poderão participar da concorrência, desde que atendam aos requisitos exigidos.

A ação com o pedido para a realização de licitação foi ajuizada pela 2ª Promotoria de Justiça da Comarca de Araranguá. Na ação, o Ministério Público relata que, constada a ilegalidade, encaminhou recomendação à Prefeitura para a realização de processo licitatório para outorga de permissão de uso do Comércio Popular Municipal.

Na ocasião, apesar de reconhecer a necessidade de licitação e admitir que os indivíduos que atualmente lá desempenham atividades não possuem permissões válidas, o Município não manifestou interesse em acolher a recomendação do Ministério Público.

Ao requerer na Justiça a determinação para licitação, a Promotoria de Justiça sustentou que a forma como atualmente é ocupado o espaço público fere frontalmente a Lei de Licitações – que veda concessões e permissões da administração pública sem prévia licitação – e ofende os princípios constitucionais da legalidade, impessoalidade e moralidade.

“É evidente a discriminação em desfavor daqueles que poderiam, por meio de regular processo licitatório, utilizar esse espaço para sua atividade comercial, obedecendo as normas e determinações previstas na licitação, evitando o privilégio injustificável, bem como privilegiar determinadas pessoas”, considerou a Promotoria de Justiça.

Diante dos fatos apresentados, o Juízo da Comarca de Araranguá determinou ao Município, conforme requerido pelo Ministério Público, que conclua o processo de licitação em seis meses. O edital do certame tem prazo máximo de dois meses para ser publicado, assim como a notificação dos atuais ocupantes de modo a que possam participar do certame, desde que preencham os requisitos exigidos.

A decisão também estipula que o Prefeito Municipal seja advertido de que o descumprimento desmotivado das determinações poderão configurar prática de ato de improbidade administrativa. A decisão é passível de recurso.

Notícias Relacionadas

Todos os serviços do Hospital Regional de Araranguá estão paralisados

Funcionários não tiveram confirmação se serão recontratados por nova administradora, por isso ocupam o local e interrompem os serviços.

Negociação salarial de comerciários será definida na Justiça em Araranguá

A medida foi adotada visto que a data base já foi estendida em um mês, e mesmo assim não se chegou a um consenso.

Polícia Civil prende traficantes, drogas e armas durante Operação “Favela do Ucca”, em Araranguá

Ação conjunta contou com cerca de 30 policiais de diversas cidades do Extremo Sul.

Juiz de Braço do Norte abre mão de segunda vaga de assessor após readequação de unidades judiciárias 

Agora, Klauss Corrêa passa a responder somente pela Vara Criminal e Juizado Especial Criminal.