Geral

Prepare o bolso: gás de cozinha vai ficar 7% mais caro a partir de setembro

O aumento será para cobrir altas de custos decorrentes da inflação e começa a valer na próxima quarta-feira, dia 1º.

Foto: Vinícius Cardoso Vieira / Esp. CB / D.A Press

O Sindicato a Empresas Transportadoras e Revendedoras de GLP do Distrito Federal (Sindvargas) informou, nesta quinta-feira, 26, que o gás de cozinha terá reajuste a partir da próxima quarta-feira, dia 1°.

De acordo com o Sindvargas, o reajuste, dessa vez, não partiu da Petrobras e sim das distribuidores. O aumento será em média de 7% e será para cobrir altas de custos decorrentes da inflação e o reajuste salarial de funcionários. “Nosso compromisso é manter nosso serviço que é de excelência prezando a qualidade, garantia e segurança ao consumidor, por isso não há como absorver qualquer tipo de reajuste”, diz o Sindicato na nota.

Em agosto, a Petrobras já tinha reajustado o valor do gás em 7%.

Veja a nota?

“Nota SINDVARGAS – Sindicato da Empresas Transportadoras e Revendedoras de GLP do Distrito Federal.

Brasília, 26 de Agosto de 2021

DISTRIBUIDORAS ANUNCIAM REAJUSTE NO GÁS DE COZINHA A PARTIR DE 01 DE SETEMBRO!

Nossos associados e representados estão recebendo comunicado de mais um reajuste no gás de cozinha, aumento será em média de 7% e entrará em vigor as 0 horas do dia 01/09 (terça feira).

Esse reajuste está sendo anunciado pelas Distribuidoras engarrafadoras e causará mais um impacto nos consumidores. Nosso compromisso é manter nosso serviço que é de excelência prezando a qualidade, garantia e segurança ao consumidor, por isso não há como absorver qualquer tipo de reajuste.

Sérgio Costa
Diretor Vice Presidente
Sindvargas”

Com informações do site Correio Braziliense

Notícias Relacionadas

Com Selic em queda, poupança pode passar a render menos que a inflação

Isso pode acontecer porque os rendimentos da poupança são 70% da Selic, mais a Taxa Referencial (TR), que está zerada.

Inflação para famílias de renda mais baixa fica em 0,50% em julho

A taxa ficou acima do 0,33% de junho, diz FGV

Instituições financeiras estimam inflação de 4,13% em 2019

Projeções para o crescimento do PIB foram mantidas

Carne, dólar em alta e FGTS: as causas da inflação que bateu recorde desde 2016

Apesar do IPCA fechar 2019 acima do previsto, especialista do Ibmec/SP aponta que tendência é estabilização do preço este ano, principalmente dos alimentos.