Litoral

Preso escondia dez celulares, isqueiro, drogas e cabo USB no próprio estômago em Palhoça

Objetos foram descobertos por agentes penitenciários em observação com uso de scanner corporal.

Análise por scanner confirmou o flagrante dos agentes penitenciários – Foto: Divulgação

Um apenado da Colônia Penal Agrícola de Palhoça, na Grande Florianópolis, foi flagrado com celulares, isqueiro, cabo USB e drogas introduzidos no próprio estômago. A descoberta ocorreu nesta terça-feira (15), quando o detento retornou à unidade após uma saída temporária de sete dias.

Agentes desconfiaram do comportamento do preso, que é portador de necessidades especiais e usa muletas, e o submeteram à revista no detector de metais.

Como o equipamento apontou a presença de algo metálico, ele foi levado até o Complexo de São Pedro de Alcântara para observação no scanner corporal, que confirmou as suspeitas. Inicialmente, a Secretaria de Administração Prisional informou que havia nove celulares no estômago do apenado, porém, mais tarde, disse que eram dez aparelhos.

Além dos celulares, os demais objetos estavam distribuídos em 52 invólucros separados. O preso passou por um procedimento cirúrgico para a remoção do material e, até a última atualização desta matéria, continuava internado.

O caso repercutiu com surpresa até mesmo entre servidores mais experientes do sistema prisional.

Material foi apreendido após o procedimento cirúrgico – Foto: Divulgação

Com informações do site NSC Total

Notícias Relacionadas

Por dívida com facção, detento é assassinado no Presídio Santa Augusta em Criciúma

Foi o segundo caso de homicídio já registrado em Criciúma neste ano de 2019.

Presos do semiaberto são flagrados com maconha, celulares e dinheiro na BR-101

Homens estavam voltando da jornada de trabalho e indo para a unidade prisional de Tubarão.

Detento que pulou o muro do presídio de Criciúma é recapturado

O até então foragido foi capturado em casa por agentes prisionais com apoio da PM.

Detento de Tubarão vence concurso nacional de redação

Reeducando de 37 anos ficou em 1º lugar no concurso nacional de redação da Defensoria Pública da União