Clima

Previsão aponta chuva dentro da média e veranicos no próximo trimestre em Santa Catarina

Foto: Divulgação

O mês de abril chega ao fim e os meses de maio, junho e julho são caracterizados pela transição do final do outono e início do Inverno no Hemisfério Sul. Durante o outono, os dias são marcados por uma grande amplitude térmica: as manhãs são mais frias, enquanto as tardes permanecem quentes.

No inverno, eventos de precipitação invernal, geadas e temperaturas negativas na Serra catarinense são comumente observados. Para os próximos três meses, de acordo com a meteorologia da Defesa Civil de SC, em termos de precipitação, o Litoral e os planaltos passam a apresentar um período mais seco (50 a 130 mm no mês), enquanto no Grande Oeste os volumes de chuva aumentam consideravelmente em relação aos meses anteriores, ficando entre 150 e 200 mm.

Quer receber as principais notícias da região? Clique aqui e entre no nosso grupo de WhatsApp e fique atualizado de forma rápida e confiável 

El Niño

No momento, as temperaturas das águas do oceano Pacífico Equatorial se encontram em situação de neutralidade. A previsão da maioria dos modelos indica um aquecimento dessas águas ao longo do próximo trimestre, com um evento de El Niño se consolidando no final do período com intensidade moderada a forte.

Chuva dentro da média no trimestre

No mês de maio, a chuva deve ficar próxima a acima da média nas áreas vizinhas ao estado do Rio Grande do Sul e litoral catarinense. Os modelos meteorológicos indicam muita incerteza para a previsão dos próximos meses. De forma geral, a chuva deve ficar dentro da média nos meses de Junho e Julho, mas não se descarta a ocorrência de eventos extremos.

Frio não será frequente

O próximo trimestre será mais quente do que o normal. O período será marcado por veranicos e não há expectativa de frio duradouro. Alguns eventos de frio intenso devem ser observados, mas em poucos dias as temperaturas voltam a subir.

Principais riscos no período

Com o aumento do volume de chuva no período, a tendência é de melhoria nas condições de estiagem no Oeste Catarinense. Danos causados pela agitação marítima e ressaca nas regiões costeiras devem ocorrer com menos frequência em relação a um outono típico. Os nevoeiros passam a ser mais comuns, trazendo risco para a navegação e o trânsito.

Notícias Relacionadas

Com formação de El Niño, Defesa Civil indica chuvas mais frequentes e intensas para o próximo trimestre em Santa Catarina

Dia de conscientização destaca importância da vacinação contra o HPV

Especialista garante que imunização é segura e protege contra o câncer

Presidente de sindicato morre afogado após ser arrastado no mar junto da esposa em SC

Segundo o Corpo de Bombeiros, mulher foi retirada do mar, sem ferimentos. Caso ocorreu em Itapema. Federação dos Trabalhadores nas Indústrias de Santa Catarina declarou luto oficial.

Suspeitos de balearem mãe e filha durante execução de homem em frente à creche em SC são presos em SP

Dupla saiu de carro de Indaial e foi presa em Registro (SP), a cerca de 423 km do local do crime. Mulher e criança de 3 anos seguem hospitalizadas.