Geral

Procon de Criciúma autua supermercado por prática de preço abusivo

Órgão emitiu auto de infração contra estabelecimento que cobrava R$ 9,99 pelo quilo do tomate

Foto: Divulgação/Decom

O Programa de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) de Criciúma autuou um supermercado do município pela prática de preço abusivo na venda do tomate. O valor era de R$ 9,99 enquanto o preço cobrado anteriormente era de R$ 5,99.

Segundo o coordenador do Procon, Gustavo Colle, foi emitido um auto de infração já que foi constatada prática abusiva. “Recebemos uma denúncia e constatamos que o valor estava 60% acima do que era cobrado antes. O Código de Defesa do Consumidor, no artigo 39, inciso 10, não permite elevar sem justa causa o preço do produto ou do serviço”, explica o coordenador.

Após a fiscalização, o estabelecimento voltou a praticar o preço cobrado anteriormente. O supermercado tem até dez dias para apresentar recurso contra a infração. Caso o recurso seja negado, o Procon pode aplicar multa em torno de R$ 20 mil.

“Nosso trabalho é reprimir a abusividade de preços. O Procon tem trabalho em parceria com o Ministério Público para fiscalizar e impedir que proprietários tirem proveito de situações adversas para lucrar”, informa Colle.

Procon autoriza venda fracionada de combustíveis

Em virtude do possível reabastecimento em alguns postos de combustíveis no município, o Procon irá liberar temporariamente a venda fracionada. A medida de limitar a comercialização é uma forma de auxiliar o maior número de pessoas. Entretanto, segundo o coordenador do Procon, Gustavo Colle, a atitude é de livre escolha do fornecedor ou comerciante.

“A informação sobre a quantidade máxima deve estar exposta prévia e ostensivamente para que o consumidor não seja surpreendido. O que deve sempre prevalecer é a boa-fé, informação clara e transparente ao consumidor”, informa Colle.

Ainda de acordo com o coordenador, qualquer aumento injustificado de produtos e serviços está sujeito às punições da Lei Federal nº 8.078/90 e demais legislações pertinentes. “Lembramos também que o estabelecimento que optar por limitar a quantidade de combustível precisa justificar o ato”, lembra.

Colaboração: Vivian Sipriano – Decom Prefeitura de Criciúma

 

Notícias Relacionadas

Tribunal de Justiça catarinense confirma pena para empresário que vendeu pipoca com rato dentro em Criciúma

Uma das vítimas, após ingerir a pipoca, teve intoxicação alimentar aguda causada por alimento contaminado.

Morador é executado com cinco tiros em Criciúma

Segundo informações, a vítima saiu recentemente do presídio e possui passagens por pedofilia e estupro de vulnerável.

Procon autua posto de combustíveis por preço abusivo em Criciúma

Operação irá fiscalizar 40 estabelecimentos do município, três já foram autuados.

Por chineladas em criança de quatro anos, Tribunal de Justiça mantém condenação de padrasto em Criciúma

A criança possuía várias marcas pelo corpo, em regiões das pernas, costas e nádegas.