Segurança

Professora de Lauro Müller foi assassinada

O acusado é um homem que foi preso preventivamente nesta quarta-feira (09) e, encaminhado para o Presídio Santa Augusta de Criciúma.

Foto: Arquivo pessoal/Facebook

A professora Débora de Oliveira Espíndola de 35 anos, encontrada morta na semana passada no distrito do Guatá, foi assassinada. Assim apontou a investigação da delegada de Polícia Civil de Lauro Müller, Juliana de Freitas Zappelini. O acusado é um homem que foi preso preventivamente nesta quarta-feira (09) e, encaminhado para o Presídio Santa Augusta de Criciúma.

O caso era tratado até então como suicídio. Conforme apontado no inquérito policial, a professora não morreu por enforcamento, mas sim pela ação de outra pessoa. A Polícia Civil não divulgou a identidade e se o homem era conhecido ou não da vítima.

Em nota à imprensa que, a delegada finalizou afirmando que “as investigações prosseguem no sentido de esclarecer o crime”.

Relembre o caso

Débora de Oliveira Espíndola de 35 anos foi encontrada morta em casa na manhã desta quarta-feira (02), no distrito do Guatá.

O filho de 18 anos estranhou a ausência da mãe que sempre estava acordada neste horário, quando foi até a residência e a se deparou com ela no chão, ao lado de uma mesa.

Débora era professora no Centro de Educação Infantil Irani Vargas, no Bairro Cairú. Pelas redes sociais, amigos e familiares se despediam da professora.

Notícias Relacionadas

DIC de Criciúma apreende 1,5 kg de maconha e munição de calibre restrito

Revólver, munições e droga são encontrados durante blitz realizada pela PMRv de Içara

Polícia Civil cumpre mandados contra suspeitos de latrocínio em Sombrio

Idoso fica gravemente ferido após ser agredido com capacete em Lauro Müller

Familiares também foram ameaçados por agressor. Com o acusado, a Polícia Militar encontrou drogas.