Geral

Projeto ensina ritmo e poesia para crianças e jovens da comunidade do bairro Paraíso

As ações acontecem na Casa do HipHop de Criciúma e abrangem crianças de 7 até jovens de 18 anos.

Foto: Divulgação/Decom

O projeto Ação Hip Hop Ritmo e Poesia é mais um dos 84 projetos aprovados pela Lei Aldir Blanc, em edital lançado pela Fundação Cultural de Criciúma (FCC), no final do ano passado. A ação promove aulas de ritmo e poesia para crianças e jovens da comunidade do bairro Paraíso e continua voluntariamente após completar os três meses de aula propostos no edital de apoio cultural.

As ações acontecem na Casa do HipHop de Criciúma e abrangem crianças de 7 até jovens de 18 anos. “Com as crianças, muitas vezes tivemos que trabalhar de forma lúdica”, afirma Frankilin dos Passos, músico e proponente do projeto. Segundo Frankilin, trabalhar com os mais velhos foi mais fácil. “Com os maiores foi mais tranquilo porque eles convivem mais com esta cultura”, destaca.

Para o músico, a proposta das oficinas vai além da música. “O Rap é muito tocado na comunidade mas, muitas vezes são músicas carregadas de violência e nós chegamos com uma outra parte dessa cultura que resgata valores e o bem-estar familiar através das rimas”, ressalta. Os alunos aprenderam sobre técnicas e estruturas da música. “No primeiro momento foi ensinado o ritmo através de batidas e bases de rap para que as crianças entrassem no ritmo e aprendessem a cantar”, explica Frankilin.

Durante três meses, o projeto ocorreu todas as quartas-feiras, a partir das 18h. Com o prazo de duração contemplada no edital, a ação continua voluntariamente. “O retorno foi muito bom. Tanto que continuamos tocando o projeto mesmo depois de concluído, pois acreditamos que ele venha colher bons frutos ainda”, conta Frankilin, que está buscando recursos para levar adiante a iniciativa. “Agora que o recurso da lei Aldir Blanc acabou, estamos buscando outros meios para construir um estúdio e tocar o projeto, pois agora, a música virou um sonho e esperança na vida destas crianças”, fala o músico. O projeto foi contemplado no valor de R$ 10 mil reais.

“A Aldir Blanc é uma lei do ano de 2020 e foi assinada após o início da pandemia. Ela é uma Lei Federal de Emergência para o setor de cultura, que foi muito atingido em função das restrições adotadas como medida de enfrentamento a Covid-19. Em Criciúma, essa lei beneficiou 84 projetos com um valor de R$1,4 milhão”, ressalta Ismail Ahmad Ismail, diretor de Turismo da Fundação Cultural de Criciúma.

Para saber mais sobre o projeto, é só visitar a página @casadohiphopcriciuna e acompanhar a ação.

Colaboração: Thais Borges / Decom 

Foto: Divulgação/Decom

Notícias Relacionadas

Exposição jardim-interno marca reabertura dos espaços culturais da Fundação Cultural de Criciúma

Temporada 2020 da FCC inicia com a reabertura de seis locais culturais do município

Abertas as inscrições para pedido da renda emergencial da Lei Aldir Blanc

Trabalhadores da área da cultura que foram afetados pela pandemia da Covid-19, em Lauro Müller, já podem se inscrever para solicitar a renda emergencial concedida pela Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc.

Lei Aldir Blanc pode atender até 700 mil pessoas, calcula Ipea

Lei leva auxílio para profissionais do setor cultural durante pandemia

Com a maçã Fuji, Santa Catarina conquista sua sexta Indicação Geográfica

A maçã Fuji produzida na região de São Joaquim destaca-se por suas características únicas de cor, formato e sabor