Geral

Projeto Gentil Memória em Jaguaruna resgata o patrimônio histórico da região

Exposição fotográfica será realizada entre os dias 27 de agosto e 24 de setembro, no Clube 1 de Janeiro

Divulgação

Sem jornal impresso ou televisão, o fotógrafo Gentil Reynaldo documentou o cotidiano da região de Jaguaruna, durante os anos de 1940 e 1980, através da fotografia. São mais de 80 mil negativos em chapas de vidro e películas de plásticos, que são preservados através do projeto Gentil Memória, iniciativa que resgata o valor histórico e cultural da Região Sul de Santa Catarina, por meio da conservação, digitalização, catalogação e pesquisa do acervo de Gentil.

Agora, o projeto traz à comunidade o resultado do que vem sendo feito para ser visto de perto – pela primeira vez. Trata-se da Mostra Gentil Memória, realizada entre os dias 27 de agosto e 24 de setembro, no Clube 1 de Janeiro, em Jaguaruna. “É um canal entre a população, seu patrimônio e o imaginário coletivo. É através desse olhar mais de perto do acervo, que as reflexões subjetivas e os diálogos vão surgir”, revela Guilherme Reynaldo, diretor e produtor do projeto Gentil Memória.

MOSTRA FOTOGRÁFICA

Se por um lado as agressões climáticas, infelizmente, inutilizaram alguns negativos devido ao seu avançado grau de decomposição, por outro lado, a limpeza e a catalogação realizadas pelo projeto traz à tona milhares de imagens jamais antes reveladas. E é no resultado desses processos, que as principais fotografias restauradas já foram selecionadas para compor a exposição fotográfica.

Dentre as temáticas abordadas estão os registros de desfiles, bailes, festas, solenidades políticas e religiosas, retratos, construções como a catedral, a escola, o clube social e dos diversos naufrágios e encalhes de embarcações que aconteciam próximos às praias, na região conhecida como o Cemitério dos Navios. “Essas fotografias imprimem a marca da presença humana sobre o território e simbolizam, visualmente, as ideias, bem como aspirações da comunidade ao longo da sua história”, completa Guilherme.

Ainda por meio da linguagem fotográfica e, também, da expressão humana, a mostra conta com uma programação de palestras, oficinas, exibições de documentários e rodas de conversa, com número limitado de inscrições, para seguir os protocolos referentes à Covid-19. Todas as atividades serão feitas de forma gratuita. Assim, as muitas gerações que posaram diante das lentes de Gentil Reynaldo poderão recordar das antigas histórias, enquanto os jovens conhecerem a identidade e o passado.

Pesquisa

Neste contato do público com o acervo por meio da exposição e da mostra, a comunidade pode contribuir com as pesquisas, ao reconhecer as datas, os lugares e as pessoas que estampam os registros fotográficos. Dar nome aos rostos documentados é fundamental, visto que, além de ser um dos meios para a população se sentir parte do enredo histórico brasileiro, gera identificação com e para o acervo.

O projeto

Contemplado na categoria “Patrimônio Material” do Edital Elisabete Anderle da Fundação Catarinense de Cultura, edição 2019 e 2020, o projeto proporciona um resgate do valor histórico e cultural, através do diagnóstico, conservação, digitalização, catalogação e exposição dos negativos do Sr. Gentil. Assim, cumpre a nobre função de enriquecer as narrativas sobre o passado e sua influência no presente e no futuro da comunidade.

Gentil Reynaldo

Nascido em 25 de outubro de 1922 na comunidade do Camacho, o menino Gentil criou-se sempre na companhia dos seus cinco irmãos. Com eles, ajudava seus pais que trabalhavam no comércio e na agricultura. Mas foi a criatividade e a habilidade para a música que marcou a infância dessas crianças. Na adolescência, Gentil e seus irmãos formaram a banda (o Conjunto) chamada “Seis Irmãos” e abrilhantaram festas e bailes na região, por muitos anos.

Aos 18 anos, comprou sua primeira câmera, e foi, então, que abraçou a fotografia. E a partir daí, por volta de 1940, a região sul catarinense começava a conhecer os registros desse fotógrafo que, através de imagens, descreveu a evolução histórica de toda a sua gente. “Ele era dotado de uma veia artística inquestionável, possuía um fino trato com todas as pessoas que o cercavam. Tinha muito prestígio. Era uma pessoa que podia ser definida pelo próprio nome: Gentil”, diz o filho Gilson Rocha Reynaldo, com saudades.

Com informações do HCNoticias

Notícias Relacionadas

Educação se manifesta após compra de máscaras com suspeita de irregularidade

Fiesc estuda soluções para alto preço da energia elétrica

Nesta quinta-feira (16), a Câmara de Energia da Federação reuniu-se para discutir alternativas.

Vidro traseiro do carro é quebrado com lajota e carteira é furtada em Orleans

Posteriormente, a carteira e os documentos foram encontrados jogados na beira da Estrada Geral Rio Novo.

Contato Internet Contrata em Tubarão