Coluna

Protestar sem perder o respeito

Ocupa Brasília

Foto: Agência Brasil

Acompanhamos o manifesto ocorrido em Brasília e muito nos chocaram as imagens de destruição, vagabundagem, pessoas feridas, enfim todos os atos lá praticados, mas o que mais chamou minha atenção foi o caso do estudante Vitor de Araranguá, que teve a mão esfacelada pela bomba destinada ao policial, que se atingido na cabeça provavelmente morreria. Será este o real exercício da democracia? Lutar por direitos é colocar em risco a vida do outro? Quem sabe a de um trabalhador que por ali estivesse passando; de uma criança saindo da escola; uma mulher; um deficiente, enfim de todo e qualquer cidadão que tem seu direito de ir e vir.

Como a maioria da população brasileira, defendo que o povo precisa ir às ruas clamar por direitos, pedir que a ordem e a paz sejam restabelecidas no país, dizer não a corrupção, gritar por mais saúde, educação, segurança, mas em nenhum momento nos é dado o direito de atentar contra a vida, destruir patrimônio público, provocar baderna, colocando em risco a vida de quem trabalha, denegrindo a imagem do país. Os danos materiais logo serão recuperados, graças aos impostos que pagamos, mas que muita falta farão para a solução dos graves problemas sociais que o país tem , não fosse a insanidade de alguns cidadãos. Mas, pior que isso é a decadente imagem de nossa pátria perante o mundo, uma marca negativa que extrapola todas as fronteiras.

Usando o incidente do estudante Vitor, reafirmo o que penso e acredito sobre atitudes tão radicais quanto às praticadas naquele fatídico dia. Pergunto: lugar de estudante num dia normal de aula não deveria ser dentro da sala de aula? Quantos dias de aula esse jovem e tantos outros perderam pra irem praticar vandalismo, colocando em risco a vida daqueles que estão no cumprimento do seu dever? Para um dia de baderna lá se foi uma semana de aula… Quantos conhecimentos deixaram de ser repassados e incorporados para o crescimento pessoal e profissional daqueles que nos representarão no futuro? Lembrando ainda que boa parte desses estudantes, estudam com o nosso dinheiro em instituições públicas, mas se deixam manipular por militantes comunistas. Isso não condiz com o que almejamos para o país.

Apontem-me um, apenas um, dos chefões que tenha se exposto aos perigos provocados? Que dão a cara pra bater? Nem um… Assistem de camarote, recebem altos salários, enquanto idiotas como o Vitor colocam em risco sua vida e a de tantos outros.

Faça protestos, manifestos, reivindicações, mas respeite a vida, o patrimônio público! Proteste organizadamente para que não tenhamos nossos bolsos assaltados por mais impostos para recuperação de danos. Não é quebrando tudo que vamos resgatar a dignidade perdida neste país que tem tudo para ser o melhor do mundo.

É preciso que lutemos para que tenhamos nossos direitos respeitados e que se cumpram as leis. Essa é uma busca incansável para a manutenção de nossa liberdade, que deve estar acima de qualquer sigla partidária. O país vive uma inegável crise de valores, fruto da corrupção generalizada, mas isso não nos dá o direito de desrespeitarmos a mãe pátria, pois dela podemos tirar tudo o que precisamos. O Brasil é muito maior do que todos os desacertos que o envolvem, pois é o nosso País, nossa Pátria amada!

Notícias Relacionadas

Mais um ano se passou…

A professora e colunista do Portal Sul In Foco, Ana Maria Dalsasso, traz uma reflexão sobre o fim de ano e os acontecimentos políticos no país.

Copa do Mundo

Educação e violência

Descriminalização do aborto: sim ou não?