Clima

Próximo trimestre terá chuva abaixo e temperatura acima da média em SC

Mais uma vez aparece a influência do fenômeno La Niña, que favorece dias com grande amplitude térmica, ou seja, tardes ensolaradas e quentes, seguidas de noites mais frias para a época do ano

Divulgação

Os meses de outubro, novembro e dezembro deverão ser de chuva abaixo da média em Santa Catarina, com precipitação mal distribuída e períodos de dias consecutivos com tempo mais seco, sobretudo nos meses de novembro e dezembro. O cenário é reflexo da atuação do fenômeno La Niña.

Quanto à temperatura, ela deve ficar acima da média no próximo trimestre. Em outubro e início de novembro, massas de ar frio ainda podem causar queda na temperatura à noite e episódios isolados de geada fraca ao amanhecer nas áreas mais altas do Planalto Sul. Mais uma vez aparece a influência do fenômeno La Niña, que favorece dias com grande amplitude térmica, ou seja, tardes ensolaradas e quentes, seguidas de noites mais frias para a época do ano. Em novembro e dezembro, as massas de ar quente serão mais atuantes e com maior duração. As madrugadas e início da manhã com temperatura baixa tornam-se eventuais.

O setor de meteorologia da Epagri/Ciram alerta que entre outubro e dezembro os temporais ocorrem com mais intensidade e frequência, trazendo granizo e ventania para o Estado. A chuva pode ocorrer com totais mais significativos em curto intervalo de tempo. Por isso, a recomendação é o acompanhamento sistemático da previsão do tempo e dos avisos meteorológicos no site e redes sociais da Epagri/Ciram. Nevoeiros associados à nebulosidade baixa, com redução de visibilidade, também são característicos da primavera.
Histórico

Historicamente, outubro é um mês chuvoso no estado, com totais mensais mais elevados no Oeste e Meio Oeste. Os acumulados de chuva variam de 210 a 280 milímetros no Oeste e Meio-oeste, e de 140 a 180 milímetros do Planalto ao Litoral. Em novembro, o volume de chuva diminui em Santa Catarina, com valores de 130 a 180 milímetros em média. Em dezembro, com o início das chuvas de verão, os acumulados passam a variar de 150 a 190 milímetros na Grande Florianópolis e do Oeste ao Litoral Norte. Nas demais regiões, os volumes variam entre 130 a 150 milímetros no último mês do ano.

Episódios de precipitação estão especialmente associados à passagem de frentes frias, influência de sistemas de baixa pressão e dos Sistemas Convectivos de Mesoescala (SCM), que provocam chuvas mais intensas no Oeste e Meio Oeste. Na segunda quinzena de novembro começa o processo convectivo, caracterizando as pancadas de chuva de verão, que se tornam mais frequentes em dezembro, janeiro e fevereiro.

Em outubro os ciclones extratropicais no litoral Sul do Brasil ainda trazem perigo para a navegação e a pesca, devido aos ventos fortes e ao mar agitado, muitas vezes resultando em ressaca. Em novembro e dezembro, diminui a condição favorável aos ciclones extratropicais no litoral Sul do Brasil.

O fenômeno La Niña deve se fortalecer até o final do ano. O verão inicia às 12h59min do dia 21 de dezembro.

Notícias Relacionadas

Engenheiro da Famor esclarece aos vereadores de Orleans sobre trabalhos realizados

Na Ordem do Dia, foram aprovados Projeto de Lei Complementar, Moção de Apoio, Requerimento e Indicação.

Um projeto de lei e seis proposições pautam sessão do Legislativo de Lauro Müller

Atletas de Muay Thai, Karatê e Jiu Jitsu de Criciúma conquistam pódio em competições

Disputas foram no Rio de Janeiro e em Videira

“Ela era o tesouro da vida dele”, diz tia de policial morto pela filha em SC

Neife Werlang, de 46 anos, foi morto na sexta-feira (18) em São Miguel do Oeste; duas suspeitas estão apreendidas em Chapecó