Geral

Reajuste no gás de cozinha impacta comércio e famílias: “Usaria dinheiro para comprar leite”

Revendedor Claudemir Santos relata que, em Chapecó, as vendas caíram

Divulgação

O impacto do reajuste no preço do gás de cozinha chegou para o consumidor, mas também para os estabelecimentos de revenda do produto. O valor médio de comercialização para as distribuidoras foi ajustado em 16,1% na última semana. Revendedor em Chapecó, Claudemir Santos diz que. desde o reajuste, as vendas diminuíram. As informações são do g1.

Segundo o que conta, há famílias abrindo mão de alimentos para conseguir comprar um botijão de gás. Em Chapecó, um utensílio de 13kg está sendo vendido, em alguns estabelecimentos, por R$ 140,00.

– As pessoas simplesmente não têm como pagar. Muitas famílias que visito chega a dar dó e o pior é que não tem como fazer o preço antigo, pois já pagamos pelo preço atualizado – afirmou Claudemir.

Para que as vendas não caiam de forma drástica, Claudemir diz que tenta não passar todo o valor do reajuste aos consumidores.

– Quase nunca conseguimos repassar esse aumento de forma integral, então muitas vezes saímos perdendo. Nessas condições, dá até vontade de desistir do ramo, desanima bastante – disse.

Apesar disso, ainda assim há famílias que precisam optar pela compra do botijão ou de alimentos. Osana Teles dos Santos, também de Chapecó, possui cinco filhos. Como a família vive com um salário mínimo, a dificuldade de comprar um botijão de gás deixa todos apreensivos com as contas.

– Aqui em casa, um botijão de gás dura 15 dias, às vezes, dura um mês, mas é raro. De manhã, tem que dar café para as crianças, ao meio-dia, a gente faz almoço. De tarde, eles estão com fome e tem que preparar um lanche e, de noite, de novo, antes de dormir, eles precisam se alimentar. O fogão aqui fica aceso boa parte do dia – contou.

Além do gás, Osana lembra que tem o aluguel da casa e mercado para pagar no fim do mês.

– São R$ 20 ou R$ 10 que fazem a diferença no fim do mês. Eu usaria esse dinheiro para comprar leite, uma bolacha, um achocolatado para as crianças. É muito difícil, porque às vezes eles pedem as coisas, e a gente não tem condições de comprar. Agora mais ainda, com tudo caro. Dói o coração ver eles pedindo e não poder dar – conta.

Com informações do NSCTotal

Notícias Relacionadas

Ação conjunta entre SC e DF prende 12 suspeitos de crimes de estelionato por leilões virtuais

Operação "Falcon" teve início ainda em outubro de 2021, e mobiliza 78 policiais de ambos os Estados para o cumprimento buscas, apreensões e prisões temporárias

Nova frente fria pode causar pancadas de chuva nesta sexta; veja a previsão por região

Defesa Civil de SC fez o alerta à formação e avanço de uma nova frente fria que deixará o tempo instável em todo o final de semana

Motorista confunde pedais e mata a filha atropelada em SC

Em choque e com dores, condutora foi levada ao hospital

Pacote de crack enterrado ao lado de poste é apreendido em Tubarão

Com apoio do Canil, a droga foi localizada ao lado do poste, embalada e pronta para o comércio