Geral

Recuperação de restaurantes endividados na pandemia em SC pode levar até 5 anos, diz sindicato

A Abrasel citou o aumento nos preços em 2021, como o da carne, que ficou 40% mais cara, o valor da energia elétrica, 25%, e o dos aluguéis, 18%

Divulgação

Os bares e restaurantes de Santa Catarina podem levar de dois até cinco anos para recuperar o rendimento e pagar dívidas feitas na pandemia. É o que revelou uma pesquisa feita entre 23 de dezembro e 10 de janeiro pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) no Estado.

Em comparação com 2020, quando 41,4% dos empresários e empresárias afirmaram estar endividados, o número cresceu 26%. Em 2021, a pesquisa da Abrasel apontou que as dívidas das empresas aumentaram para 67,5%, e 70,5% dos entrevistados disse que ainda não conseguiu recuperar a rentabilidade.

O presidente da Associação, Raphael Dabdab afirma que várias empresas enfrentam o risco eminente de fechar.

— É uma situação extremamente crítica, agravada pelos sucessivos aumentos da taxa de Selic, colocando em risco a sobrevivência de muitas destas empresas — fala o presidente.

A Abrasel citou o aumento nos preços em 2021, como o da carne, que ficou 40% mais cara, o valor da energia elétrica, 25% e o dos aluguéis, 18%. Conforme a pesquisa, o gasto médio do consumidor caiu 54%, e para a associação, isso aponta que a inflação afetou o poder de compra da população.

Nova onda da Covid-19 afeta recuperação

A Abrasel argumentou que os fatores responsáveis pelo agravamento da situação são os impactos econômicos causados pelas restrições sanitárias, a falta de suporte do poder público, o aumento da carga tributária no Estado e a alta da inflação.

A pesquisa mostrou que para a maioria das empresas essa temporada está melhor que a de 2020 para 2021, mesmo com os números abaixo da média esperada. Segundo o presidente da associação, os empresários temem o avanço da nova variante e o aumento dos casos.

— A maior preocupação é quanto ao crescente afastamento dos trabalhadores suspeitos de contaminação, o que compromete a operação diante da alta demanda — diz Raphael Dabdab.

Com o aumento de casos em Santa Catarina após o avanço da Ômicron, o Governo do Estado deu os primeiros passos no plano de contingência contra avanço da Covid. Apesar dos planos, fechamento não está previsto entre as medidas.

​> SC estuda plano de contingência e descarta fechamento em meio a explosão de casos da Covid​

De acordo com o Painel do Coronavírus do NSC Total, são 1.368.213 casos confirmados, 61.526 casos ativos e 20.384 óbitos pela Covid-19 em Santa Catarina. Com a nova onda de contaminações, o uso de máscara em todos os lugares voltou a ser recomendado no Estado.

Com informações do NSCTotal

Notícias Relacionadas

Litro da gasolina deve ficar 10 centavos mais caro em SC após novo reajuste, diz sindicato

Segundo o levantamento semanal da Agência Nacional do Petróleo, os maiores preços médios do combustível de Santa Catarina estão na Grande Florianópolis

Gasolina chega a 80% dos postos de SC após fim dos bloqueios, diz sindicato

Estabelecimentos chegaram a ficar sem gasolina durante os protestos de caminhoneiros

Preço da gasolina pode cair no final do ano e aquecer turismo em SC, diz sindicato

Segundo especialista, a média de preço para os meses de janeiro e fevereiro pode ser determinada pelo valor que encerrar o ano

SED se pronuncia sobre esfaqueamento em escola de Criciúma

Secretaria de Estado da Educação informa que está apurando as informações sobre o caso ocorrido na noite de sexta-feira no bairro Mina do Mato