Geral

Reforma da Previdência beneficiará mais pobres, revela ministério

Segundo relatório, renda dos 50% mais pobres subiria acima da média.

Foto: Arquivo/Wilson Dias/Agência Brasil

O crescimento econômico gerado pela reforma da Previdência beneficiará principalmente os 50% mais pobres da população. A conclusão consta de relatório da Secretaria de Política Econômica (SPE), do Ministério da Economia, divulgado em Brasília.

No mês passado, o órgão tinha distribuído nota técnica na qual calculou que a economia cresceria 3,3% em 2023 com a aprovação total da reforma da Previdência, 2,3% com a aprovação parcial e encolheria 1,8% com as regras atuais.

Segundo o documento, a aprovação integral das novas regras poderia gerar até 8 milhões de empregos formais nos próximos quatro anos, mas o ministério não tinha divulgado a distribuição desse crescimento por classes sociais.

Agora, a SPE detalhou o impacto positivo da expansão da economia decorrente da reforma, conforme o nível de renda da população. O levantamento dividiu a população em 10 segmentos, em que o menor corresponde aos 10% mais pobres; e o maior, aos 10% mais ricos, e analisou o aumento da renda em cada faixa em dois cenários.

O estudo considerou o crescimento médio de 3% ao ano da economia até 2023, no caso de aprovação total da reforma, e retração média de 0,5% ao ano no mesmo período, sem mudanças nas regras.

De acordo com a nota técnica, a renda per capita cresceria mais entre os 50% mais pobres da população: de 3,07% por ano em média para o segmento entre 40% e 50% mais pobres a 3,48% por ano para os 10% mais desfavorecidos.

Entre os 50% mais ricos, a renda per capita também subiria, mas em ritmo menor: de 3% ao ano para a faixa entre 40% e 50% mais ricos a 2,63% ao ano entre os 10% mais ricos.

As condições econômicas geradas pela Nova Previdência, elevando o emprego, reduzindo a informalidade e estimulando investimentos são fundamentais para o desenvolvimento de uma economia capaz de garantir condições mais seguras aos mais pobres no hoje e no amanhã”, destacou o documento da SPE.

Empregos formais

Conforme o levantamento, dois fatores beneficiarão as camadas mais pobres da população. Em primeiro lugar, o crescimento da economia aumenta a criação de empregos formais e reduz a informalidade, que afeta 91,64% dos 10 % mais pobres e apenas 18% dos 10% mais ricos, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com a SPE, até 8 milhões de empregos com carteira assinada seriam criados caso a reforma da Previdência fosse aprovada na totalidade.

A segunda razão para o crescimento da economia ter efeitos mais benéficos sobre as menores faixas de renda é a possibilidade de que a inclusão no mercado formal de trabalho aumente os gastos dessas famílias em educação e saúde.

Com informações da Agência Brasil

Notícias Relacionadas

Portal da Transparência: população pode tirar dúvidas de investimentos para combater à Covid-19 em Criciúma

Criciumenses podem mandar também sugestões para o governo municipal.

Shows com Vigário Jack, Candieiro e Concurso de Terno de Reis marcam encerramento do Encantos de Natal em Lauro Müller

A abertura da programação aconteceu no dia 4 de dezembro, quando um grande desfile de Natal levou milhares de pessoas para a região central da cidade.

Levantamento mostra que 45% dos beneficiários do PIS/PASEP vão usar dinheiro extra para pagar dívidas em atraso

Para SPC Brasil, medida é importante para que o cidadão consiga sanar pendências e recuperar crédito no mercado. Cerca de14% dos brasileiros ainda não sabem se têm direito ao benefício

Prefeitura de Braço do Norte lança Ô de casa!, projeto que aproximará a população da administração municipal

Ao todo serão 10 encontros, que contemplará todos os bairros e comunidades braçonortenses.