Política

Reforma política na pauta dos debates dos prefeitos em Brasília

O tema central dos debates nessa tarde de terça-feira (26) no Centro de Convenções Internacionais do Brasil, localizado na Asa Sul em Brasília, foi reforma política. O local recebe a XVIII Marcha a Brasília, onde para abrir os debates o presidente da Confederação Nacional dos Municípios, Paulo Ziulkoski apresentou pesquisa que aponta que a maioria dos prefeitos defende o fim da reeleição, mandatos de seis ano e voto obrigatório.

A pesquisa

O estudo ouviu a opinião de 3.338 prefeitos e 49 gestores. Ao todo, foram elaboradas 12 questões que envolvem assuntos como a reeleição, o tempo de mandato, a coincidência de mandato, dentre outros. De acordo com a visão de 79,8% dos respondentes, a reeleição não deve ser mantida. Sobre o poder legislativo (Vereadores, deputados e senadores) 43,9% indicaram que deve haver um limite de mandatos. Hoje em dia, não existe nenhuma restrição para a reeleição. No que diz respeito ao tempo ideal de mandato, a maioria dos pesquisados respondeu que cinco anos é o período adequado – 54,8%. Outros 38% acredita que seis anos seria o tempo ideal e somente 6,6% indicou quatro anos. Essas informações revelam que os gestores atuais estão descontentes com o mandato atual de quatro anos. Também mostram uma mudança na opinião dos prefeitos. Nos estudos anteriores da CNM, a maior parte deles era a favor de mandato de seis anos.

Opinião dos prefeitos da AMREC

Para o Presidente da AMREC e prefeito de Treviso e prefeito de Treviso, João Juca Rossi, a reforma política teria de acontecer já. O prefeito defende a prorrogação dos mandatos, e a unificação das eleições já para 2018, sendo mandatos de cinco anos. O prefeito de Cocal do Sul, Ademir Magagnin, comentou fala do senador Aécio Neves, que disse no evento que só acabando com as coligações nas proporcionais já seria um grande avanço. “Precisamos de reformas mais profundas. Só esta mudança é pouco”, disse Magagnin. Ele ainda elogiou a ideia debatida sobre os votos das sobras. Onde o mais votado seria eleito, independente de partido. O prefeito de Lauro Muller, Fabrício Kusmim Alves e o prefeito do Balneário Rincão, Décio Goes, também se mostraram favorável à reforma que acaba com a reeleição e passa os mandatos unificados de cinco anos. Já quanto a votação que está na Câmara dos Deputados, o prefeito do Rincão se mostrou preocupado. “Tenho medo do resultado do que pode sair da reforma política. Só acabar com a coligação na proporcional, teríamos um grande avanço. Achou que os demais temais devem ser amadurecidos e debatidos antes de serem votados”, afirmou Décio. 

Colaboração: Antonio Rozeng/Comunicação Amrec

  • 00b67c405141cd7b5c9284277241b2f1
  • ba5c08af85802e6ca8dcefbd2bf31988
  • 8c9fc828b120216d7bd68244472a0f0d
  • fb292e73d28ae344135dac419cc4753b
  • df16784322174b287f7a33f703ba18cd
  • 86ccd0aca001c77aa0d1c163537b9274