Geral

Reinfecção por Covid-19 é improvável durante seis meses, diz estudo

Dado foi apresentado como resultado de estudo da Universidade de Oxford

Divulgação

É altamente improvável que pessoas que tiveram covid-19 contraiam a doença novamente por pelo menos seis meses depois da primeira infecção. É o que mostra  um estudo britânico feito com funcionários de saúde que atuam na linha de frente da luta contra a pandemia do novo coronavírus.

As descobertas passam tranquilidade a mais de 51 milhões de pessoas no mundo que foram infectadas com a doença, disseram pesquisadores da Universidade de Oxford.

“É uma notícia realmente muito boa porque as pessoas podem ficar confiantes que, pelo menos no curto prazo, a maioria que já pegou covid-19 não pegará novamente”, disse David Eyre, um dos coordenadores do estudo e professor do Departamento Nuffield de Saúde da População, em Oxford.

Autoridades da Organização Mundial da Saúde (OMS) gostaram dos resultados. “Estamos vendo níveis sustentados de resposta imunológica em humanos até agora”, afirmou Mike Ryan, principal especialista de emergência da OMS, em entrevista coletiva. 

Maria van Kerkhove, líder técnica em covid-19 para a OMS, acrescentou: “Ainda precisamos seguir esses indivíduos por um período mais longo para ver quanto tempo a imunidade dura”.

Casos isolados de reincidência de covid-19, a doença causada pelo vírus SARS-CoV-2, causaram preocupações de que a imunidade poderia ter vida curta e que pacientes recuperados poderiam rapidamente ficar doentes novamente.

Com informações do NSCTotal

Notícias Relacionadas

Primeira onda da covid-19 deve acabar em outubro, diz estudo da UFF

Hemisfério Norte deve ter novos casos com a chegada do inverno

Pandemia acelera mudança no trabalho de humanos para robôs, diz estudo

Covid-19 impulsiona a chegada do trabalho do futuro, revela pesquisa

Pandemia revela desigualdades raciais, diz estudo

Publicação foi elaborada por pesquisadoras da Fiocruz e Uerj

Obesidade pode agravar câncer de mama, diz estudo

Trabalho, da Uerj, foi publicado na revista Endocrine-Related Cancer