Saúde

SC atinge 70% da população totalmente imunizada contra Covid-19

Segundo infectologista, se não fosse o avanço da variante Ômicron, poderia ser seguro flexibilizar medidas sanitárias a partir do atual percentual da vacinação

Divulgação

Santa Catarina alcançou 70% da população completamente vacinada contra Covid-19 nesta quinta-feira (9). Os dados são do Painel do Coronavírus do NSC Total, atualizado com base nas informações do Governo do Estado.

O percentual supera a média nacional, que é de 65% dos brasileiros completamente imunizados, e representa mais de 5 milhões de catarinenses que receberam duas doses ou a dose única. Quase 80% da população do Estado tomou a primeira dose contra o coronavírus.

Em setembro, o governo de SC havia estabelecido 70% de imunizados como meta e condição para a flexibilização de medidas restritivas contra a Covid-19 no estado, como o uso de máscaras. Com a chegada da variante Ômicron, esse relaxamento deve ser repensado, afirma a infectologista Carolina Ponzi.

Segundo a médica, em um cenário sem a nova variante, relaxar as medidas de restrições poderia acontecer de maneira mais segura. Conforme ela, a vacinação não é o único fator que importa para um retorno à normalidade, já que o que preocupa é não saber até que ponto a vacina pode barrar o avanço da nova variante.

— Se não fosse a variante Ômicron, eu acredito que a gente estivesse mais tranquilo no sentido de relaxar medidas progressivamente. Então, tem que segurar mais — defende a médica.

Mas a infectologista explica que a nova variante possui muitas variações da proteína spike do vírus Sars-CoV-2, causador da Covid-19. Isso gera suspeitas de que a vacina possa não proteger as pessoas contra a nova forma da doença.

No final de novembro, o Governo de Santa Catarina liberou o uso de máscaras em ambientes abertos. Diante da ameaça de uma nova variante, o Estado estabeleceu novas regras para eventos ao ar livre.

Quando Santa Catarina atingiu o número de 20 mil mortos pela Covid-19, em 1 de dezembro, o superintendente de Vigilância em Saúde do Estado, Eduardo Macário, afirmou que até 15 de janeiro de 2022 o governo espera que, assim como a infectologista, perguntas sobre a nova variante Ômicron sejam respondidas para que os protocolos atuais sejam revisados.

Na ocasião, Macário disse que o mundo vive hoje um “dilema sanitário”, que pode ser melhorado com imunização coletiva.

— As medidas de distanciamento são eficientes, mas causam um quadro de estresse social e cansaço. Elas são muito comportamentais, então, tem esse dilema sanitário. Mas com a vacina, a Covid-19 deixou de ser uma pandemia, uma doença desconhecida, para se tornar uma doença imunoprevinível — falou.

No entanto, para a infectologista, nem mesmo a flexibilização do uso de máscaras ao ar livre, sem aglomeração, é recomendada.

— Culturalmente, a gente sabe que o bom senso às vezes é difícil, a questão do relaxamento pode trazer a impressão que a coisa relaxou mesmo, impressão de falsa normalidade. Então, a gente vê com muita preocupação essa questão — explica.

Com informações do NSCTotal

Notícias Relacionadas

Secretaria de Saúde de Criciúma realiza ação para relembrar um ano de vacinação e início da aplicação em crianças

Há um ano, a primeira dose da vacina contra Covid-19 era aplicada em Criciúma

Criciúma é a única cidade da Amrec a conquistar medalhas de ouro na Obmep

Ao todo, 100 alunos das escolas municipais são premiados com medalhas e menções honrosas, além de quatro professores que também foram destaques

TeleCovid: mais de 1200 atendimentos são realizados no primeiro dia

Serviço de atendimento remoto foi retomado nessa terça-feira

Fiz o Enem, que curso escolher agora? Orientadora profissional comenta afirma que curso precisa ter o DNA de cada um

A resposta pode estar nas questões básicas diárias para compreender as áreas de interesse