Geral

SC precisa qualificar 800 mil pessoas para indústria até 2025; veja áreas com maior demanda

Projeção aponta que, desse total, cerca de 650 mil já têm uma formação ou estão inseridos no mercado de trabalho, mas devem se atualizar

Divulgação

Até 2025, Santa Catarina precisará qualificar 802,9 mil pessoas em ocupações industriais. Deste número, 152,9 mil precisarão de formação inicial, para repor inativos e preencher novas vagas, e 649,9 mil em formação continuada, para trabalhadores que devem se atualizar.

Os dados e a avaliação são do Mapa do Trabalho Industrial 2022-2025, estudo realizado pelo Observatório Nacional da Indústria para identificar demandas futuras por mão de obra e orientar a formação profissional de base industrial no país.

Isso significa que, da necessidade de formação nos próximos quatro anos, 80% serão em aperfeiçoamento.

“O mercado de trabalho passa por uma transformação provocada pelo uso de novas tecnologias e por mudanças na cadeia produtiva. Por isso, é necessário investir em qualificação e aperfeiçoamento para que os profissionais estejam atualizados”, frisa o presidente da FIESC (Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina), Mario Cezar de Aguiar.

As ocupações industriais são aquelas que requerem conhecimentos tipicamente relacionados à produção industrial, mas estão presentes também em outros setores da economia.

De acordo com o diretor de educação e tecnologia da FIESC, Fabrizio Machado Pereira, há oportunidades em diversos segmentos, mas especialmente naqueles voltados à ciência, tecnologia e engenharia.

“O SENAI tem desenvolvido uma série de formações que permitem ao trabalhador seguir se preparando para uma indústria cada vez mais tecnológica e competitiva. Nossas escolas e a rede de ensino superior oferecem qualificação alinhada à nova economia, seguindo inclusive tendências internacionais”, destaca.

Demanda por formação no Estado por nível de qualificação:

Qualificação (menos de 200 horas): 437.013
Qualificação (mais de 200 horas): 198.072
Técnico: 118.082
Superior: 49.752
Em volume, ainda prevalecem as ocupações de nível de qualificação, que respondem por 74% do emprego industrial no Brasil hoje.

Contudo, chama atenção o crescimento das ocupações de nível técnico e superior, que deve seguir como uma tendência.

Isso ocorre por conta das mudanças organizacionais e tecnológicas, que fazem com que as empresas busquem profissionais de maior nível de formação, que saibam executar tarefas e resolver problemas mais complexos.

Áreas com maior demanda

As áreas com maior demanda por formação são: transversais, têxtil e vestuário, metalmecânica, logística e transporte, e alimentos e bebidas.

As ocupações transversais são aquelas que permitem ao profissional atuar em diferentes áreas, como técnico em segurança do trabalho, técnico de apoio em pesquisa e desenvolvimento e profissionais da metrologia, por exemplo.

O Mapa do Trabalho Industrial agrupa as ocupações industriais em 25 áreas. Abaixo, as 10 áreas que mais precisarão formar até 2025.

Áreas com maior demanda por formação (inicial + continuada)

Transversais: 173.856
Têxtil e Vestuário: 121.509
Metalmecânica: 108.776
Logística e Transporte: 89.604
Alimentos e Bebidas: 69.262
Construção: 63.264
Madeira e Móveis: 28.291
Tecnologia da Informação: 28.077
Eletroeletrônica: 20.970
Gestão: 19.568

Com informações do ND+

Notícias Relacionadas

Pesquisa inédita de geração de energia tem bons resultados em Santa Catarina

Estudo desenvolvido no Sul do Estado busca tecnologia viável economicamente para realizar a captura de dióxido de carbono em indústrias de geração de energia a base de carvão

Morte de duas crianças em condomínio de Criciúma é investigada

Equipes da Vigilância Sanitária encontraram fezes de rato e barata em duas caixa d'águas próximas ao local

Ciclista é atropelado por motorista em fuga que transportava 211 kg de droga em SC

Segundo informações da PRF, o motorista foi preso; o caso aconteceu em Joinville, no Norte do estado

SC tem mínima abaixo de -3ºC e geada no 1º dia de julho

Em Bom Jardim da Serra, às 6h os termômetros marcaram -3,41ºC. Em São Joaquim, a míníma foi de -3,2ºC na localidade do Vale do Caminhos da Neve.