Saúde

SC registrou em novembro o menor número de mortes por Covid em 17 meses

Foram 284 pessoas que morreram por complicações da doença ao longo do mês, uma queda de quase 25% em relação à outubro

Divulgação

Santa Catarina registrou em novembro o menor número de mortes por Covid-19 dos últimos 17 meses, de acordo com dados do Painel do Coronavírus do NSC​ Total, atualizado com base nas informações do governo do Estado.

Foram 284 pessoas que perderam a vida por complicações da doença ao longo de 30 dias. O último mês com menos mortes foi junho de 2020, quando foram registradas 230 mortes por coronavírus em SC.

Desde então, os números oscilaram mensalmente até fevereiro de 2021. Em março, o Estado enfrentou o maior pico de mortes desde o início da pandemia, com 3.716 vítimas fatais em um único mês.

Já no mês seguinte, o número de mortes começou a ter um recuo, alcançando a oitava queda consecutiva em novembro, quando houve uma redução de 25% no total de vítimas em relação à outubro.

Apesar da queda, SC teve 20.035 mortes por Covid desde o início da pandemia. É o 10º Estado com mais óbitos entre todos as unidades da federação. Também são 1,2 milhão de casos confirmados e, neste domingo (5), 3.764 casos ativos entre os catarinenses.

Veja os números por mês:

Divulgação

Queda das mortes tem ligação direta com a vacina

O superintendente de Vigilância em Saúde do Estado, Eduardo Macário, afirmou na semana passada que a queda das mortes em SC tem ligação com os altos índices da vacinação. Já são mais de 5 milhões de pessoas completamente imunizadas.

— À medida em que a vacina avançava, houve uma queda na letalidade da doença. Então, mesmo com o surgimento de uma nova variante, a Delta, que hoje já é maioria aqui em Santa Catarina, não aconteceu uma quarta onda, porque a cobertura vacinal estava alta — argumenta o superintendente.

Agora, existe a preocupação com a variante Ômicron, que já motivou novas portarias que proibiram eventos ao ar livre sem controle de público como precaução às festas de fim de ano.

O Estado espera que, até 15 de janeiro de 2022, perguntas sobre a nova variante sejam respondidas para que os protocolos atuais sejam revisados. Para Macário, o mundo vive hoje um “dilema sanitário”, que pode ser melhorado com imunização coletiva.

Com informações do NSCTotal

Notícias Relacionadas

Secretaria de Saúde de Criciúma realiza ação para relembrar um ano de vacinação e início da aplicação em crianças

Há um ano, a primeira dose da vacina contra Covid-19 era aplicada em Criciúma

Criciúma é a única cidade da Amrec a conquistar medalhas de ouro na Obmep

Ao todo, 100 alunos das escolas municipais são premiados com medalhas e menções honrosas, além de quatro professores que também foram destaques

TeleCovid: mais de 1200 atendimentos são realizados no primeiro dia

Serviço de atendimento remoto foi retomado nessa terça-feira

Fiz o Enem, que curso escolher agora? Orientadora profissional comenta afirma que curso precisa ter o DNA de cada um

A resposta pode estar nas questões básicas diárias para compreender as áreas de interesse