Geral

SC tem 14 regiões gravíssimas para Covid-19; veja o mapa de risco

A região da Foz do Rio Itajaí, antes classificada com o maior risco para a doença, é sinalizada agora como grave para o vírus.

Divulgação

Quatorze regiões de Santa Catarina estão em nível gravíssimo para a Covid-19. Outras duas estão sinalizadas como grave. A atualização do risco potencial das regiões, divulgada na manhã desta quarta-feira (9) pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), mostra que a situação melhorou em relação a semana passada.

A região da Foz do Rio Itajaí, antes classificada com o maior risco para a doença, é sinalizada agora como grave para o vírus. O Extremo Oeste também permanece assinalada pela cor laranja. Não há regiões no nível alto ou moderado.

Gravíssimo (vermelho)

  • Grande Florianópolis;
  • Xanxerê;
  • Serra Catarinense;
  • Alto Vale do Itajaí;
  • Laguna;
  • Extremo Sul;
  • Alto Vale do Rio do Peixe;
  • Planalto Norte;
  • Médio Vale do Itajaí;
  • Nordeste;
  • Oeste;
  • Alto Uruguai catarinense;
  • Meio Oeste;
  • Carbonífera.

Grave (laranja)

  • Extremo Oeste;
  • Foz do Rio Itajaí.

Apesar da mudança, a epidemiologista do Centro de Operações de Emergência em Saúde (COES), Maria Cristina Willemann alerta para que a reclassificação da região Foz do Rio Itajaí ocorreu no mesmo dia que houve o maior registro de óbitos diários. Segundo a especialista, desocupação de leitos pode se dar por este motivo.

“O número de casos em Santa Catarina está em crescimento e nós não sabemos quanto tempo isso irá durar, mas há importante contribuição do comportamento da população, pois percebemos que o registro dos casos está localizado, em grupos familiares e territoriais”, afirma.

Na última semana, Santa Catarina registrou 33.458 novos casos e 323 óbitos confirmados. Na terça-feira (8), o estado contabilizou 91 óbitos em 24 horas.

A taxa de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da rede pública também continua subindo e chegou a 88,27% na noite de terça. Ao menos 16 hospitais catarinenses não podem mais receber pacientes nos leitos de UTI.

As regiões Oeste, Serra e Vale do Itajaí seguem com ocupação superior a 90%. Se forem levados em conta apenas os leitos de UTI adultos, a ocupação é de 93,12%.

Dimensões no mapa

Segundo Coes, houve mudanças nas notas das regiões referente às quatro dimensões que atualizam a situação do coronavírus. O resultado dos pontos faz com que as regiões mudem de cor no mapa.

Veja os alertas, que são em quatro pontos: 

  • Evento sentinela: Segundo a atualização, todas as regiões do estado registram alta mortalidade por Covid-19. Isso é reflexo do aumento do número de casos nas últimas semanas.

 

  • Transmissibilidade: Todas as regiões do estado registram alta transmissão de Covid-19. O grande do número de casos dificulta ações de vigilância e monitoramento de casos e contatos. Neste cenário é necessário aplicar ações que reduzam o contato entre as pessoas como a restrição do funcionamento de atividades.

 

  • Monitoramento: Todas as regiões encontra-se em nível grave para o monitoramento. Isso demonstra que há necessidade de aprimorar a investigação de contatos de casos e vigilância ativa por meio de qualificação da realização do inquérito de síndrome gripal na comunidade.

 

  • Ocupação de leitos: Todas as regiões encontra-se em alerta máximo para a ocupação de leitos de UTI. Com isso, o Coes alerta para a necessidade de cancelar a realização de cirurgias eletivas, colocar em funcionamento todos os leitos disponíveis, ampliar ações de identificação de manejo precoce de casos e investir em restrição de contato entre as pessoas para que haja redução da ocupação em médio prazo.

Com informações do G1 SC

Notícias Relacionadas

Serra do Rio do Rastro é interditada novamente neste domingo (17)

O motivo da interdição se deve a uma barreira que caiu por volta das 10h:15

Veículo capota na BR-101 em Morro da Fumaça

O motorista do veículo foi conduzido para o hospital

Estudantes fazem hoje primeira prova do Enem 2020

Provas deste domingo são de linguagens e ciências humanas

Senacon adotas medidas para combater comércio de vacinas falsificadas

As ações terão apoio dos Procons, da Polícia Federal e Receita Federal