Segurança

SC tem menor número de homicídio entre janeiro e julho desde 2018

Estado ainda registrou uma queda de 19% nos casos de homicídios de janeiro a julho de 2021 em comparação ao mesmo período do ano passado

Divulgação

Santa Catarina registrou uma queda de 19% no número de homicídios em 2021 em comparação ao mesmo período do ano passado. O dado é o menor desde 2018. Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP/SC), foram 361 casos no período de janeiro a julho deste ano, sendo que em 2020 foram 445 no mesmo período.

Em 2019, esse número foi de 401 homicídios entre janeiro e julho. Já em 2018, o registro do mesmo período foi de 495.

Mesmo com a queda, 49 casos aconteceram apenas em julho deste ano. A média diária dos homicídios no último mês é de 1,5. O que significa que ao menos uma pessoa por dia é morta no Estado em decorrência de algo externo, seja por uma pessoa ou uma falha em um equipamento de segurança, por exemplo, conforme explica a Doutora em direito penal e professora adjunta de Direito e Processo Penal da UFSC, Chiavelli Facenda Falavigno.

A média diária do período analisado – janeiro a julho de 2021 – é semelhante à média feita no mês de julho, que também apresenta cerca de um homicídio por dia em Santa Catarina.

Ainda nesta comparação, Florianópolis é a segunda cidade que mais registrou casos de homicídio. O município apresenta 25 registros até julho. A Capital fica atrás apenas de Joinville, que soma 37 homicídios no mesmo período.

Segundo a SSP/SC, os números incluem homicídio doloso, quando há intenção de matar e homicídio culposo, quando não há. A especialista em Direito Penal explica que o homicídio culposo é registrado quando o agente viola algum dever de cuidado e isso acaba resultando em morte.

Chiavelli Facenda Falavigno diz que várias causas podem estar atreladas à diminuição no número de homicídios e, para ela, é difícil analisar o que pode ter feito para esse número diminuir. A pandemia também pode ter impactado, conforme ela explica.

O analista de segurança Eugênio Moretzsohn acredita que o número de homicídios no Estado está ligado com a ação das forças de segurança, seja por meio de flagrante ou por investigação.

Durante a pandemia, alguns outros fatores, segundo o especialista, contribuem para a violência no geral. De acordo com Moretzsohn, a elevação do consumo doméstico de bebidas alcoólicas e drogas ilícitas, assim como o desemprego no país, colabora para o agravamento das tensões.

Com informações do NSCTotal

Notícias Relacionadas

Motociclista tem ponta do dedo amputada após colisão com caminhonete em Urussanga

O homem, de 41 anos, também apresentava suspeita de traumatismo craniano, suspeita de hemorragia interna e fratura exposta no joelho.

Polícia Civil de Orleans incinera drogas apreendidas e avaliadas em R$ 150 mil

Tabletes e porções de cocaína, crack e maconha foram apreendidos em por volta de 30 procedimentos, tais como inquéritos e autos de prisão em flagrante.

Santa Catarina Mais Renda Empresarial começa atendimento de MEIs

A partir do dia 30 de setembro, a parceria se estenderá com o Sicoob em 95 municípios catarinenses.

Respiradores: Justiça nega devolução de dinheiro bloqueado

O juiz Petroncini usou os mesmos argumentos para anunciar a nova negativa.