Geral

SC tem queda de 8% na venda de carros novos e projeta recuperação para 2022

Fatores como falta de peças e eleições podem interferir no desempenho do setor do próximo ano, que tem previsão de alta de 5%

Divulgação

Santa Catarina teve desempenho abaixo do nacional e registrou queda na venda de carros novos em 2021. Foram emplacados no Estado 95,6 mil automóveis no ano passado, contra 104,4 mil em 2020. Os números somam carros e comerciais leves, como picapes. A diferença corresponde a uma queda de 8,4%. No Brasil, esse mercado se manteve estável, como uma leve alta de 1%.

A Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) divulgou nesta segunda-feira (10) os dados regionais do ano passado e a projeção de vendas para 2022. SC teve aumento nas vendas de carros novos somente quando somados todos os grupos, incluindo caminhões, ônibus, motos e implementos rodoviários.

Nessa conta, o Estado teve aumento de 4,2% nas vendas em relação a 2020, com 171,6 mil unidades vendidas contra 164,6 mil do ano anterior. No Brasil, o crescimento neste número global com veículos leves, pesados, motos e implementos foi de 10,5%.

A expectativa da entidade nacional é de um crescimento de 4,6% na negociação de veículos leves e pesados. No início do ano passado, a entidade chegou a estipular uma alta de até 16%. Em Santa Catarina, a entidade regional afirma a previsão é semelhante, com alta de 5% em 2022. A continuidade da pandemia, o problema da falta de peças para a montagem e as eleições são vistos como os principais obstáculos ao setor.

— Entendemos que vamos ter crescimento em 2022, mesmo com a dificuldade de componente prevista ainda no primeiro semestre e com algum desconforto que o período eleitoral pode gerar — analisa o diretor regional da Fenabrave na Grande Florianópolis, Marcos Paulo Marcílio.

O impacto dos semicondutores

O desempenho das vendas de veículos novos em 2021 foi freado por uma série de problemas. O principal deles foi a falta de peças, em especial os semicondutores, que chegaram a paralisar a fabricação de diversos modelos. A escassez também ocasionou aumento de preços. O movimento chegou até aos seminovos e usados, que tiveram até 30% de elevação no valor de mercado.

O aumento do custo e dos prazos do frete marítimo, por conta do dólar e das quarentenas exigidas aos navios, também impactou as vendas em SC, segundo a entidade. Isso teria retardado e encarecido a chegada de peças para montagem de veículos no Brasil.

O diretor regional da Fenabrave explica que a falta de peças diminuiu o volume de carros produzidos e, com isso, aumentou o preço de cada unidade.

— A dificuldade de logística, de montar os carros para entregar, foi o que motivou a diminuição no número de emplacamentos. Tem carros prontos, dentro das fábricas, aguardando um ou outro item para serem entregues. Se tivéssemos produto a pronta-entrega, certamente teríamos tido aumento em automóveis e comerciais leves — avalia Marcos.

Melhor desempenho em veículos comerciais leves

Um comportamento se repete ao analisar os números de vendas de 0km nacionais e de Santa Catarina. É o foco maior em modelos de valores mais elevados. Enquanto a comercialização de automóveis de passeio caiu 11% em SC e 3,5% no país, a de comerciais leves subiu. A alta foi de 6% no Estado e de 24% no balaço nacional.

É no grupo dos comerciais leves que estão picapes e utilitários, que possuem um maior valor agregado. Até mesmo o modelo mais vendido no Brasil em 2021 foi deste grupo: o Fiat Strada desbancou o Ônix, líder nos últimos seis anos, e foi o carro mais vendido no país. Para 2022, as caminhonetes a diesel são uma das apostas para puxar o crescimento.

Entre os veículos pesados, a venda de caminhões também se manteve com desempenho positivo. Houve um crescimento de 43% tanto em SC, quanto no Brasil. Esse setor é menos afetado pela falta de peças e componentes.

No geral, os números globais de vendas de veículos novos em SC foram puxados pelo bom desempenho em comerciais leves (+6%), caminhões (+43%) e motos (+25%), para onde migraram parte dos interessados em automóveis. Os que registraram queda foram os grupos de automóveis (-11%) e ônibus (-6%).

Quando analisadas as regiões do Estado, o Sul de SC foi o que teve maior alta nas vendas, com 10% de aumento em comparação com 2020. Já o Vale do Itajaí teve a menor variação, com acréscimo de apenas 0,69% em relação ao ano anterior.

Veja os dados das carros de veículos novos em SC

Divulgação

Com informações do NSCTotal e Folhapress

Notícias Relacionadas

Saúde lança nova versão da caderneta de saúde para crianças

Novo modelo será enviado aos estados e municipios até março

Cachoeira é interditada por tempo indeterminado após queda que matou jovem em SC

Leticia Silva Budal, de 20 anos, morreu após cair aproximadamente 50 metros dentro da cachoeira

SC tem 20 vezes mais pacientes em tratamento contra Covid do que no Natal

Em 25 de dezembro, estado tinha 1.987 casos ativos contra 45.915 de sexta-feira. SC enfrenta filas nos postos de saúde e unidades fechadas por causa do afastamento de profissionais da área.

Um ano de vacinação contra Covid-19 com início da imunização de crianças

A vacinação de crianças de 5 a 11 anos é a forma que SC celebra data