Geral

SC tem um cão-guia para cada 6,4 mil pessoas com deficiência visual

Falta de animais especializados para atender pessoas que não enxerga reflete em filas no Estado

Foto:Divulgação

Santa Catarina tem 28 cães-guias para atender 180 mil pessoas com deficiência visual — o equivalente a um animal a cada 6,4 mil. Os dados são da União Nacional de Usuários de Cães-Guias (UNUCG). A baixa quantidade de animais treinados reflete em filas de espera por pessoas que buscam mais inclusão, autonomia e independência no dia a dia.

Após seis anos na fila de espera, Samuel Stumpf conseguiu adotar Capone, um cão-guia da raça labrador e treinado para amparar uma pessoa que não enxerga. A dupla, que vive em Florianópolis, passou por anos de treinamento. Quando Capone foi dado ao tutor, uma nova jornada de aprendizado começou.

— Ele se tornou meu parceirão. Eu levo ele para o campismo, a gente faz tracking, monta barraca, ele tá sempre comigo. A gente corre junto na praia, eu treinei ele pra correr comigo […] traz mais autonomia, mais independência, mais liberdade — conta Samuel, que é consultor de acessibilidade e inclusão.

Preço para preparar um cão-guia chega a R$ 100 mil

No país, apenas oito instituições são licenciadas para treinar e entregar cães-guias. Uma delas é a escola Helen Keller, localizada em Balneário Camboriú. O local forma até seis cães por ano e possui uma fila de espera de 200 inscritos. Segundo a presidente da escola, o preço para preparar um animal especializado é de R$ 100 mil.

— O treinamento de uma escola gabaritada demanda dois anos. É um processo muito dedicado desde o cruzamento, nascimento e socialização. Depois tem o treinamento específico. Isso demanda custo e uma equipe técnica competente — fala Elis Busanello, presidente da Escola de Cães-Guias Helen Keller.

Na expectativa por mais autonomia, Gustavo Nunes entrou na fila de espera da escola, que treina os cães e doa os animais. No aguardo desde o ano passado, ele ainda não tem previsão de quando vai receber o cão.

— Como eu sou deficiente visual recente eu aprendi a andar de bengala, mas é uma segurança maior estar com o cão-guia. Vai mudar minha vida, eu vou poder me locomover pra muitos lugares sem medo de estar batendo em algum lugar e me perdendo — conta.

Se mantendo positivo durante a espera, o Gustavo já imagina o que vai mudar na sua vida quando conseguir um cãozinho.

— Eu pretendo ir morar sozinho por conta da autonomia. Minha expectativa é conseguir fazer tudo sozinho e não precisando de alguém do meu lado — pontua.

Falta de acessibilidade e inclusão

Recursos como as bengalas e cães-guias eliminam as barreiras que limitam as pessoas com deficiência. Mas para Jairo da Silva, vice-presidente da Associação Catarinense para Integração do Cego (ACIC), essa acessibilidade ainda não é fácil.

— É muita dificuldade de acessibilidade, às tecnologias assistivas de forma geral. Uma pessoa que não tem deficiência calça um sapato e vai. Nós não conseguimos sem uma tecnologia assistiva — explica.

Apesar da independência, a vida com o cão-guia significa companhia o tempo todo. Além do trabalho e da ajuda, cães como o Capone estão cheios de amor e carinho pra dar.

— Para mim é uma conexão e um entendimento de amor sendo aplicado a todo meu dia e tá comigo independente da situação que a gente estiver ele está curtindo — finaliza Samuel Stumpf, dono do animal.

Com informações do NSC Total

Notícias Relacionadas

Tencati testa Tigre com três atacantes mais uma vez

Sócio do Criciúma poderá retirar ingresso gratuito para criança na Copa do Brasil

Funcionário é arrastado e desaparece no rio após carro de empresa cair de ponte alagada em SC

Outros dois ocupantes conseguiram sair da água. Os três trabalham em uma empresa de internet e faziam manutenção de uma torre em Bom Jardim da Serra.

Homem morre em acidente entre carro e caminhão na BR-280 em SC

Batida aconteceu na cidade de São Bento do Sul