Geral

SC vai congelar ICMS sobre combustíveis por 90 dias após decisão nacional

Estado votou a favor da medida de fixar base de cálculo do imposto estadual para ajudar no controle da alta da gasolina

Divulgação

Santa Catarina acompanhou a decisão conjunta dos estados brasileiros e vai congelar o ICMS sobre o preço de combustíveis pelos próximos 90 dias. A decisão foi tomada nesta sexta-feira (29) em reunião do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), que reúne os secretários estaduais de Fazenda.

O anúncio ocorre em meio a uma crescente alta no preço do diesel e da gasolina, que em alguns estados já passa de R$ 7. Em SC, o preço já supera R$ 6,50 em grande parte das cidades. Desde janeiro, a alta no país já chega a 73%.

O ICMS é um imposto estadual que é aplicado sobre um valor médio do combustível cobrado em cada estado (chamado pela expressão de “preço médio ponderado ao consumidor final”). Em Santa Catarina, essa média é calculada com pesquisas de preço e atualizada em média uma vez por mês.

Atualmente, por exemplo, empresas do ramo de combustíveis pagam ICMS sobre o valor de R$ 5,77 no litro da gasolina, base de cálculo atualizada em 16 de outubro, segundo a assessoria da Secretaria de Estado da Fazenda. O pagamento é feito antecipadamente para a Petrobras, que é quem repassa o tributo para o Estado.

Com o congelamento, mesmo que o valor da gasolina suba nos próximos 90 dias, a cobrança do imposto estadual será apenas sobre o valor fixo. O Estado ainda não confirmou se o congelamento entra em vigor a partir de agora, mas o Ministério da Economia informou que o congelamento deve valer de 1º de novembro de 2021 a 31 de janeiro de 2022.

SC não cogitava congelar ICMS

Inicialmente, Santa Catarina não cogitava congelar por conta própria o ICMS, embora a medida tenha sido anunciada por estados como Minas Gerais. O Estado defendia a tese de que tem uma das menores alíquotas do tributo no país. Enquanto em SC são cobrados 25% sobre a gasolina e 12% sobre o diesel, em outros locais o imposto pode chegar a 25% sobre o diesel e 34% na gasolina – caso do Rio de Janeiro.

Apesar disso, na reunião desta sexta o Estado apoiou a proposta de congelamento, que foi acatada por unanimidade entre os estados. SC chegou a “segurar” o aumento no valor de cálculo do ICMS no primeiro semestre, aguardando uma possível queda nos preços. No entanto, o preço do combustível seguiu em alta, e em junho o Estado acabou repassando o valor que havia sido represado.

Apesar de ser um gesto para indicar colaboração dos estados na tentativa de conter o preço da gasolina, a medida sozinha deve ter dificuldades para impedir a alta dos valores. Isso porque a maior parte da escalada nos preços ocorre por conta da política de preço da Petrobras, de paridade internacional do combustível com as variações do dólar e do barril de petróleo no mercado mundial.

O ICMS é alvo de polêmica porque o presidente Jair Bolsonaro critica governadores por conta do preço alto dos combustíveis argumentando que o imposto estadual seria uma das causas dos aumentos. Os percentuais de ICMS nos estados, no entanto, não aumentaram. O que tem ocasionado os sucessivos reajustes na gasolina e no diesel são justamente as altas no dólar e no petróleo no mercado internacional, que baseiam a atual política de preços da Petrobras.

Em entrevista à Globonews, o secretário da Fazenda de Pernambuco, Décio Padilha, afirmou que somente o congelamento do ICMS não será suficiente para equilibrar o preço dos combustíveis no país. Ele defendeu medidas como a criação de um fundo de equalização, para conter variações, e concorrência à Petrobras.

– Se não colocar a Petrobras na mesa e avançar com uma proposta dessa (como a do fundo), só vai postergar o problema, porque daqui a 90 dias, que é quando vai encerrar o congelamento… Bem antes disso já vai ter vários aumentos. Acho que a Petrobras poderia sentar na mesa e procurar uma solução – cobrou, na entrevista à emissora.

Estado analisa mudança tributária para combustíveis

O governador Carlos Moisés solicitou nos últimos dias um estudo à Secretaria da Fazenda para avaliar os possíveis efeitos de outra medida que poderia envolver o setor de combustíveis. Seria a saída da chamada Substituição Tributária das empresas desse setor.

Na prática, em vez de pagar o ICMS na compra do produto junto ao fornecedor, antes de vender aos clientes, as empresas poderiam pagar somente após a venda, o que poderia tornar a tributação mais fiel ao preço final. O estudo, no entanto, ainda deve levar de dois a três meses para ser concluído.

Com informações do NSCTotal

Notícias Relacionadas

Dez escolas municipais de Criciúma já tiveram seus documentos antigos digitalizados

Objetivo da Secretaria de Educação é criar acervo com decretos, cadastros de estudantes e professores, fotos históricas e demais documentos das unidades de ensino

Colégio Satc inicia transição de alunos para novas séries

Desafios e mudanças para os alunos que passam para o Ensino Fundamental são monitorados pelo corpo pedagógico

“Estamos perto de ver o topo da inflação”, diz presidente do BC

Campos Neto afirma que pode haver melhora no ano que vem

Queda de elevador deixa um homem ferido dentro de padaria em SC

Estado de saúde da vítima é estável; acidente aconteceu no bairro América