Segurança Pública

Segurança pública e os fariseus

No domingo ocorreu a Páscoa, símbolo do renascimento. Por isso, lendo o novo testamento, encontrei em Mateus, capítulo 23, a seguinte pesadamente: Jesus disse à multidão e aos seus discípulos: “Os mestres da lei e os fariseus se assentam na cadeira de Moisés. Obedeçam-lhes e façam tudo o que eles lhes dizem. Mas não façam o que eles fazem, pois não praticam o que pregam. Eles atam fardos pesados e os colocam sobre os ombros dos homens, mas eles mesmos não estão dispostos a levantar um só dedo para movê-los”.

Saindo dessa passagem bíblica, podemos dizer que no tempo de Jesus também existia o direito, que é caracterizado como um conjunto de normas organizam a vida em sociedade em determinado tempo e lugar. Segundo Bobbio “toda nossa vida é repleta de placas indicativas, sendo que umas mandam e outras proíbem ter certo comportamento”.

Dessa forma, surge a conclusão de que o direito nasce da sociedade, constando no parágrafo único, do art. 1º, da Constituição Federal, que todo poder emana do povo, direta ou indiretamente, asseverando que a soberania, a cidadania e a dignidade da pessoa humana são fundamentos, jamais podendo ser retirados os direitos fundamentais dos cidadãos, dentre os quais o direito a liberdade, com respeito aos direitos de terceiros.

Consta do artigo 5º da Constituição: “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade […].”

Percebe-se que a Constituição usa expressamente o termo segurança, o que é reafirmado no seu artigo 144 que fala o seguinte: “a segurança pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio […].”

Então, desde 1988 há menções que afirmam que a segurança é dever do Estado e um direito de todos. Isso não tenho dúvida, mas o que entristece é o fato de que apenas em eleições é que a maioria dos políticos lembra do tema, sendo lamentável que muitos se preocupam com a “segurança” só nesse período, sem antes nunca terem movido uma palha em prol dela (melhoria da estrutura, aumento do efetivo, valorização dos policiais, aprovação de leis mais severas contra os criminosos e a construção de mais presídios, por exemplo), mas o que é pior são aqueles, fariseus hipócritas, que usaram o caso da execução da policial militar Caroline Pletsch, de Chapecó, para fazer política oportunista, sem nunca lutarem pela segurança e por seus servidores.

O que precisamos é de uma política séria para a segurança, atuando fortemente na prevenção e na repressão, investindo-se em tecnologia, efetivo, valorização do policial e leis mais duras contra os criminosos. Só assim, crimes graves, como a execução da jovem policial, não acontecerão mais. Fora isso, é só discurso vazio e populista, que não terá eficiência prática alguma.

Notícias Relacionadas

Índices de crimes caem bruscamente em Orleans

Segundo dados divulgados pela Polícia Civil, houve redução de 300% dos crimes de roubo e quase 30% do número de furtos.

Proprietário de lavação é preso por tráfico de drogas em Orleans

Na delegacia, o acusado confirmou que entregou 15 gramas de crack para o usuário em troca de um Fiat Uno com problemas mecânicos.

Novos nomes do PSD se reúnem para discutir ações para as eleições deste ano

Polícia Civil apreende pés de maconha em propriedade de Orleans

O proprietário do local ainda não foi localizado.