Geral

Seis em cada 10 municípios de SC afirmam não estar preparados para novos eventos extremos

No Brasil, número de municípios que admitiram não estar preparados para eventos extremos foi ainda maior, de 68%

Foto: Divulgação

Seis em cada 10 municípios de Santa Catarina admitem não estar preparados para o aumento da ocorrência de eventos climáticos extremos como secas, inundações e outros desastres naturais. A conclusão é de uma pesquisa da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), feita com 3,5 mil cidades do país e divulgada nesta segunda-feira (20).

Segundo o levantamento, 61% das cidades catarinenses consultadas consideraram que o município não está preparado para enfrentar o aumento de eventos climáticos extremos. Outros 32% consideraram a cidade preparada, enquanto 4% disseram desconhecer previsões que afetem o município e 2% não responderam.

No Brasil, o número de municípios que admitiram não estar preparados para eventos extremos foi maior: 68%. A maioria dos municípios consultados apontou que os motivos de a cidade não estar preparada são a necessidade de capacidade técnica (74%) e financeira (94%).

Setores responsáveis nos municípios

O levantamento da CNM também consultou se há nos municípios brasileiros com áreas de risco de desastres um setor ou pessoa responsável por fazer o monitoramento diariamente em tempo real.

Em Santa Catarina, 49% dos municípios informaram possuir setor ou pessoa responsável por monitorar essas áreas de risco, enquanto 41% disseram não ter.

No Brasil, 38,7% dos municípios possuem essa estrutura ou profissional responsável, e 43,7% não possuem.

Outro dado pesquisado foi a existência ou não de sistemas de alerta para desastres, móvel ou fixo. Em SC, 47,8% admitiram não contar com essa estrutura de alerta. Dos que informaram possuir, 43% oferecem sistemas com envio de SMS, redes sociais e aplicativos, 9% com veículos com sirenes e sistema móvel de aviso, e 2,4% com sistema fixo, com alto falantes e sirenes.

No Brasil, 57% dos municípios não contam com nenhum sistema de alerta, móvel ou fixo.

O secretário de Defesa Civil de Araquari, José Vazquez, que preside o colegiado de Proteção e Defesa Civil dos Municípios, órgão ligado à Federação Catarinense dos Municípios (Fecam), confirma que os grandes volumes de água e a dinâmica desses eventos, que castigam regiões inteiras com fortes chuvas, alagando ruas e colocando encostas em risco, faz com que os municípios tenham, de fato, dificuldade para lidar com esses episódios. Segundo ele, a principal urgência para os municípios é trabalhar a prevenção.

— Acabamos pagando mais caro para recuperar do que para prevenir. Muitas vezes não se dá importância ao trabalho da Defesa Civil. Só se dá atenção quando chove, quando enche. Quando um coordenador municipal fala para um prefeito que é preciso drenar água, tubular ruas, limpar valas, limpar o rio, não se trabalha nisso. Depois lamentavelmente é preciso usar essas máquinas para tirar água das casas das pessoas. O melhor que temos a fazer hoje em todo o Brasil é trabalhar a prevenção — alerta.

Marcha dos Municípios deve discutir prevenção de desastres

A entidade divulgou os dados em coletiva de anúncio da 25ª Marcha dos Prefeitos, que começa nesta terça-feira (21), em Brasília. Uma comitiva de SC está na capital federal e deve discutir o tema de prevenção, além de outras pautas, com parlamentares e o governo federal.

O presidente da CNM, Paulo Ziulkoski, destacou que o assunto prevenção a desastres deve ser tema da mobilização dos municípios e cobrou ajuda do governo federal às cidades.

— Todos os municípios do Brasil tiveram eventos da natureza que ocasionou problemas a comunidade e a prefeituras — afirmou.

Com informações do NSC Total

Notícias Relacionadas

Thiago Fontanela: Carbonífera Catarinense comemora 25 anos com missa

Atualmente a empresa emprega 600 empregos diretos e colabora para mais 5000 indiretamente, esse número deve crescer ainda mais com o decorrer dos anos

Tigre vence o Botafogo por 2 a 1 e sobe para 13º lugar no Brasileirão

Agiotas que cobravam dívidas até no local de trabalho das vítimas são presos em SC

Empresário está entre os presos

Fim de semana de veranico antecede chuvas e temporais em Santa Catarina

Esse novo veranico de junho antecede a passagem de uma frente fria