Poder Executivo

Servidores municipais se unem e encaminham 14 reivindicações ao prefeito de Orleans

Prefeitura de Orleans

Foto: Divulgação

Os servidores municipais da Prefeitura de Orleans reuniram-se em assembleia na noite dessa quinta-feira (30), nas dependências da Câmara de Vereadores. Na oportunidade, 14 propostas foram discutidas e aprovadas por unanimidades e, na próxima segunda-feira (3), um ofício com as reivindicações será protocolado no paço municipal.

O prefeito Jorge Koch terá dez dias para responder. Posteriormente, os servidores municipais serão convocados para uma nova assembleia para avaliar as contrapropostas. O presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Braço do Norte e Região – Siscob, Wilson Althoff, em entrevista à Rádio Guarujá, contou que o encontro contou com participação massiva dos trabalhadores.

Entre os principais anseios, está o reajuste salarial. Segundo Althoff, a remuneração atual é defasada. “Buscamos o que perdemos no passado, quando servidores não tiveram reajuste. Então, solicitamos a inflação, conforme o Índice Nacional de Preços ao Consumidor – INPC, mais um ganho real, entre aspas, porque na verdade é para recuperar o que já foi perdido”, explicou.

Solicitação referente ao polêmico auxílio alimentação também foi aprovada pelos trabalhadores. O Projeto de Lei Complementar, que instituiu o auxílio alimentação no valor de R$ 100 para os servidores públicos municipais foi aprovado pelos vereadores e, posteriormente, sancionado pelo prefeito Marco Antonio Bertoncini Cascaes. Contudo, o benefício não foi pago. O Siscob então entrou com um Mandado de Segurança Coletivo para garantir o direito, que ainda tramita na Justiça.

Agora, a reivindicação é que este valor seja atualizado para R$ 300. “Fizemos um cálculo ontem na assembleia. No mínimo, R$ 15 por dia para alimentação que, por 20 dias de trabalho, dá R$ 300. Este é o valor mínimo diário que se gasta. Atualmente, é R$ 5 por dia, mas sabemos que é um absurdo, ninguém mais consegue se alimentar com isso”, argumentou.

Para as agentes comunitárias de saúde, foi solicitado que 100% do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica – PMAQ sejam repassados a elas. “Esse dinheiro o Governo Federal está mandando para os trabalhadores para que haja justamente mais interesse e produtividade. Então esse dinheiro é do trabalhador, não é da Administração Municipal. Atualmente, apenas 50% são repassados, mas pedimos que 100% do valor vá para os trabalhadores, que é um direito”.

Os assuntos insalubridade e vacinação também foram abordados. “Há duas cozinheiras que trabalham nas mesmas condições, mas uma tem direito à insalubridade e a outra não, então é injusto”, explicou. “Pedimos vacinação para todos os servidores porque sabemos que todos os trabalhadores atuam em contato com outras pessoas. Atualmente, é só para os servidores da saúde, mas achamos importante para todos, pois estão vulneráveis à recepção do vírus e é fundamental que tenha uma saúde digna para trabalhar”, completou.

Notícias Relacionadas

Campanha “Compre de Orleans” será lançada neste sábado na Praça Celso Ramos

Programação da Semana Mundial do Meio Ambiente convida à reflexão, em Orleans

Presidentes das ACIs do Extremo Sul se reúnem para Plenária da Facisc, em Orleans

Iniciam trabalhos de recuperação da rua que dá acesso a Pindotiba, em Orleans