Esporte

Sob muita chuva, Tigre perde clássico em casa

Tricolor Carvoeiro tem mais volume de jogo, mas, prejudicado pelo gramado encharcado, cria poucas chances de gols e é punido na etapa final.

Foto: Lucas Colombo / DN

Na quarta-feira, quando perguntado, em entrevista coletiva, como seria o jogo de estreia do Criciúma na temporada 2019, em caso de chuva durante a partida, o técnico Doriva comentou que “o clássico se tornaria uma guerra”. E assim foi. Um jogo leal, é verdade, mas com muitas divididas e poucas chances de gols.

A estreia do Tricolor Carvoeiro, no Catarinense deste ano, caminhava para um previsível empate em 0 a 0 contra o Figueirense, mas a defesa do Tigre falhou, no único ataque efetivo do adversário na partida, e Yuri marcou 1 a 0. Sob forte temporal, o Tigre teve mais volume de jogo, mas não conseguiu ao menos a igualdade na estreia. “Tivemos o controle do jogo, mas infelizmente não conseguimos fazer o gol e acabamos perdendo. Agora é botar a cabeça no lugar porque domingo tem jogo de novo”, resumiu, ao final do jogo, o lateral esquerdo Marlon.

Com muita chuva e trovoadas, o confronto começou com as características típicas de um clássico: muita marcação e jogadas mais fortes. A primeira finalização foi do Tigre, logo aos 4 minutos: Marcinho Júnior fez jogada pela direita e cruzou para Zé Augusto, na intermediária, ele finalizou para fácil defesa de Dênis. Marcando forte, no campo de ataque, o Criciúma pressionava o Figueirense. Aos cinco minutos, Reis foi derrubado pela esquerda. Falta. Daniel Costa cobrou e Dênis afastou de soco. No rebote, Eduardo chutou, da intermediária, e a bola saiu. Aos oito minutos, novamente Reis foi derrubado pela esquerda. Daniel Costa repetiu a dose, mas o ataque cometeu falta.

A partida ficou mais truncada e lenta em função da falta de ritmo das equipes e também pelo forte temporal que deixou o gramado muito encharcado. Aos 13 minutos, Marlon apareceu pela esquerda e cruzou à meia altura para Pedro Bortoluzo que finalizou pela linha de fundo, pressionado pelo zagueiro. Primeira chance do novo centroavante Carvoeiro.

Com a falta de ritmo e entrosamento das equipes, comum em início de temporada, e muita chuva, o jogo ficou lento. A primeira finalização do time da capital aconteceu aos 21 minutos com Juninho, ex-Tigre, que chutou forte, mas a bola saiu ao lado do gol de Bruno Grassi. Aos 25 minutos, Reis fez boa jogada individual pela esquerda, ele passou por três adversários, levou para o meio, mas foi desarmado na hora da conclusão. Escanteio. Daniel Costa cobrou na primeira trave, Zé Augusto desviou e a bola saiu pela linha de fundo.

O Criciúma seguia propondo o jogo e o Figueirense se limitava a defender-se. Aos 28 minutos, Daniel Costa cobrou escanteio e a zaga do Figueira tirou com o peito, próximo ao braço, e a torcida pediu pênalti. O árbitro assumiu a responsabilidade no lance e nada marcou. Aos 30 minutos, aconteceu a primeira arrancada típica do lateral Maicon. Ele passou por dois adversários e cruzou, mas Alemão se antecipou e afastou.

A pressão do Tigre seguia, apesar das poucas chances claras criadas no ataque. Aos 36 minutos, Marcinho Júnior errou um cruzamento da intermediária e alguns torcedores esboçaram emitir as primeiras vaias ao camisa 11. Prontamente, Maicon se dirigiu às arquibancadas e pediu aplausos ao companheiro. Nos acréscimos, Marlon cobrou escanteio, Nino cabeceou sozinho, mas a bola caprichosamente bateu em Marcinho Júnior e saiu. “Procuramos valorizar a posse de bola, mas eles foram felizes na defesa. Agora temos que voltar mais concentrados para furar esse bloqueio”, comentou o zagueiro Sandro, no intervalo.

Vacilo e gol do adversário

O segundo tempo começou como se fosse uma repetição da etapa inicial: Criciúma tentando o gol e o Figueira se defendendo. Aos sete minutos, Maicon recuperou a bola, em uma saída de bola errada do adversário, avançou e bateu forte, pela direita, para uma boa defesa de Dênis, no canto esquerdo. Escanteio. Na cobrança de Daniel Costa, Nino cabeceou e Marcinho Júnior não conseguiu completar para a rede. Chance perdida pelo Tigre. Pressão total.

Uma das poucas defesas de Bruno Grassi aconteceu aos 14 minutos, quando Yuri fez jogada pela direita e chutou no gol. O goleiro pegou com facilidade.

Após exatos 66 minutos em campo, incluindo os acréscimos da etapa inicial, Maicon deixou o campo para a entrada de Carlos Eduardo, aos 19 minutos. No minuto seguinte, na primeira chance clara criada pelo Figueira na partida, Brunetti cruzou, no meio da zaga do Tigre, Yuri se antecipou a Nino e marcou 1 a 0, em um erro de marcação no lado direito de defesa do Criciúma. Aos 24 minutos, Pedro Bortoluzo recebeu a bola pela esquerda e chutou forte para a defesa de Dênis.

Daí para a frente, o Figueirense tratou de segurar o resultado, com muita catimba, e o Criciúma ficou nervoso em campo, precipitando as jogadas. Aos 34 minutos, Carlos Eduardo cruzou, mas Reinaldo e Pedro Bortoluzo furaram a conclusão e Dênis pegou, no chão. Aos 39 minutos, Reinaldo fez boa jogada individual e chutou, mas Dênis colocou para escanteio. No final, apesar da pressão, derrota do Tigre na estreia do estadual. “Não é o que a gente esperava. Queríamos vencer. Fomos superiores e eles acabaram fazendo o gol na única chance que tiveram”, finalizou Carlos Eduardo.

Com informações do Portal DNSul

Notícias Relacionadas

Sexta-feira tem sol em SC; tempo muda no fim de semana

Sábado deve ter chuva em algumas regiões. No domingo, chega uma massa de ar frio.

Serra do Rio do Rastro fica interditada temporariamente após vendaval

Houve queda de algumas pedras, árvores e postes sobre a rodovia. Nesta manhã de terça (12), o trânsito flui normalmente no trecho, porém, com registro de vento e muita chuva.

ALERTA: Previsão é para chuva persistente com volume elevado na próxima semana

Defesa Civil emite alertas para hoje e amanhã