Geral

Sumiço de vacinas da Covid-19 em cidade de SC ocorreu por “desorganização”, diz polícia

Apuração do suposto furto de 10 doses no Vale do Itajaí mostra falha no cuidado com uma medicação "escassa e primordial para controle da pandemia", diz delegado

Divulgação

O sumiço de 10 doses da vacina contra a Covid-19 ocorreu por “desorganização” da prefeitura de Apiúna, no Médio Vale do Itajaí. É isso que aponta o inquérito que foi concluído pela Polícia Civil a respeito do suposto furto dos imunizantes.

O caso foi registrado no início de março na cidade e o desfecho da apuração surpreendeu até os investigadores.

Isso porque diferente das hipóteses levantadas inicialmente, que cogitavam a possibilidade de um funcionário ou uma pessoa de fora do posto de saúde ter subtraído o imunizante, as investigações não conseguiram concluir sequer se houve um furto.

Na sala onde as doses eram armazenadas não havia câmeras de segurança e nem controle de entrada e saída de pessoas, conta o delegado Filipe Martins. Também não há testemunhas que possam indicar que alguém tenha levado a vacina.

Cerca de 10 pessoas foram ouvidas ao longo do inquérito.

— Não sabemos nem mesmo se houve a subtração [da vacina] em virtude do nível de desorganização, de falta de controle e segurança daquela sala. Pode ter, inclusive, acontecido um extravio das vacinas — afirma Martins.

Ninguém foi indiciado no inquérito policial. Agora cabe ao Ministério Público (MPSC) analisar o caso e determinar medidas de controle à prefeitura de Apiúna. Procurada pela reportagem, a Administração Municipal disse não ter sido notificada sobre o fim da apuração e afirmou aguardar posição do MP.

Reforço na segurança

O prefeito Marcelo Doutel da Silva conta que na manhã do sumiço das doses a contagem apontou que o frasco estava no local. À tarde, quando a equipe foi retirar o medicamento para aplicação, não estava mais. 

— Agora se quebraram e não quiseram contar por medo ou algo nesse sentido, não tem como falar — admite. 

Ele garante que depois do episódio uma câmera de monitoramento foi instalada na própria geladeira de armazenamento. Quem tira as doses do local, atualmente, é a polícia, diz o prefeito.

— Agora é feito um controle minucioso, antes era uma sala de vacinação normal — pontua o chefe do Executivo. 

Com informações do NSCTotal

Notícias Relacionadas

Casal suspeito de sequestrar menina de 4 anos em SC tentou abordar outras crianças, diz polícia

Relatos de pessoas que procuraram a Polícia Civil são de que suspeitos interagiam com adultos para se aproximar dos menores. Após ser agredida, mãe teve filha levada em Palhoça e devolvida dois dias depois; casal foi preso

Sequestro de menina em Palhoça teve como motivação abuso sexual e pornografia infantil, diz polícia

Segundo delegado, casal que está preso pelo crime aliciava crianças de famílias carentes para cometer abusos sexuais e produzir material pornográfico

Suspeito de abusar crianças em SC ‘comprava o silêncio’ com presentes, diz polícia

Homem foi preso em uma casa no bairro Pirabeiraba, em Joinville

Amigo matou família antes de incendiar casa no Oeste de SC, diz polícia

Caso aconteceu em maio e suspeito está preso preventivamente