Saúde

Taxa de óbitos por Covid é 47 vezes maior entre idosos não imunizados em SC, aponta Dive

Levantamento divulgado nesta quarta compara pessoas com esquema vacinal incompleto ou sem nenhuma dose em relação aos que tomaram o reforço

Divulgação

A taxa de óbitos por Covid-19 em idosos não vacinados ou com a vacinação incompleta é 47 vezes maior do que naqueles que já receberam a dose de reforço em Santa Catarina. É o que aponta um estudo feito pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIve) e divulgado nesta quarta-feira (2). O levantamento também indica um maior número de hospitalizações entre aqueles que não se vacinaram contra a doença.

Os dados levam em conta as mortes e hospitalizações por Covid-19 no Estado entre 1º de novembro de 2021 e 30 de janeiro deste ano. No período, foram 871 mortes e 2.501 internações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), com diagnóstico positivo para a doença.

Em relação a mortalidade, a taxa de óbitos na população acima de 60 anos que não tomou nenhuma dose ou está com a vacinação incompleta é de 836,4 a cada 100 mil pessoas vacinadas. Entretanto, entre os idosos que completaram o esquema primário e receberam a dose de reforço, a proporção cai para 17,7 a cada 100 mil vacinados – ou seja, um risco 47 vezes menor de morte.

Já entre a população adulta – 18 a 59 anos – a taxa de óbitos é 39 vezes maior entre aqueles que não se vacinaram ou estão com esquema incompleto: 27,3 a cada 100 mil imunizados contra 0,7 entre aqueles que estão com a vacinação em dia.

— Os dados demonstram a importância da dose de reforço para se garantir uma proteção mais ampla contra formas graves da Covid-19, reduzindo hospitalizações e mortes principalmente na população acima de 60 anos, mas também na população de 18 a 59 anos, num contexto de alta transmissibilidade promovida pela variante Ômicron do coronavírus — explica o superintendente de Vigilância em Saúde, Eduardo Macário.

Taxa de hospitalização também é maior entre idosos não vacinados

O estudo também trouxe dados a respeito da taxa de hospitalização. De acordo com a Dive, entre os idosos acima de 60 anos que ainda não se vacinaram ou se encontram com a vacinação incompleta, o índice foi de 1.567,8 casos por 100 mil pessoas imunizadas.

Em contrapartida, entre aqueles que completaram o esquema primário e receberam a dose de reforço, a taxa de hospitalização cai para 50,2 por 100 mil vacinados, ou seja, um risco 31 vezes menor que naqueles que não buscaram a vacina.

Se levar em conta a população adulta – 18 a 59 anos -, a taxa de hospitalização foi 20 vezes maior entre aqueles não vacinados ou com o esquema incompleto (116,0 a cada 100 mil vacinados) ao comparar com os catarinenses que estavam imunizados contra a doença (5,9 casos a cada 100 mil).

— Temos uma boa parte da população já vacinada, e aquelas que se encontram no grupo dos não vacinados estão com o risco maior que os vacinados — pontua Macário.

Com informações do NSCTotal

Notícias Relacionadas

Homem é encontrado morto com ferimento grave na cabeça na Serra catarinense

O caso foi repassado para ser investigado pela Polícia Civil; o corpo do homem foi recolhido para análises

Bebê é achada viva ao lado da mãe morta em acidente em SC: ‘se jogou nos braços’

Carro onde estava mãe e filha invadiu um potreiro e caiu em um córrego no bairro Universitário, em Maravilha

Justiça disciplina presença de crianças e adolescentes em jogos no estádio do Criciúma

Vacina contra a gripe já tem data para ser liberada para todos em SC; veja quando

Campanha de imunização começa a ser ampliada já nesta sexta-feira (27) para crianças de até 11 anos e trabalhadores da saúde em geral