Poder Legislativo

TJ nega recurso de vereador de Criciúma e confirma perda de mandato

O motivo foi a Ação Penal referente à denúncia de um ex-assessor de Dajori que o acusou de ter exigido parte do salário para manter-se no cargo.

Foto: Divulgação

A Terceira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça – TJ de Santa Catarina negou por unanimidade o recurso da defesa do vereador de Criciúma, Moacir Dajori (PSDB), condenado a perda do mandato. A informação foi divulgada em primeira mão pela colunista política do Diário de Notícias, Karina Manarin.

O julgamento foi presidido pelo desembargador Rui Fortes, com a participação, na sessão também o desembargador Luiz Antônio Zanini Fornerolli e o representante do Ministério Público, Pedro Sérgio Steil.

A rejeição dos embargos ocorreu principalmente por analisar o Tribunal tratar-se de discussão do julgado. Com isso, o vereador esgotou os recursos em Segunda Instância e agora pode somente recorrer ao STJ. Como está em vigência a execução da pena após o Julgamento em Segunda Instância, há expectativa sobre possível notificação à Câmara de Criciúma para que o vereador deixe o mandato.

Moacir Dajori foi condenado a perda de mandato em Primeira Instância pela juíza Paula Botke e Silva, da 1ª Vara Criminal de Criciúma. O vereador recorreu ao Tribunal de Justiça e a Terceira Câmara Criminal o condenou no início de março a mesma pena.

O motivo foi Ação Penal referente a denúncia de um ex-assessor de Dajori que o acusou de ter exigido parte do salário para manter-se no cargo. O fato desencadeou a Operação “Via Dupla”, do Gaeco. A denúncia foi feita em 2013 e Dajori foi reeleito em 2016.

Notícias Relacionadas

Eleições 2020: “Acredito que a vez agora é do PSDB”, afirma presidente do partido sobre disputa pelo Executivo

O presidente do partido, Lucas Canever Librelato, conversou com a Redação do Sul In Foco e falou dos objetivos do PSDB

Criciúma: operação apura falsificação de exames toxicológicos para renovação de CNH

A investigação apurou que o valor cobrado dos candidatos que buscavam o exame toxicológico falsificado era de aproximadamente R$ 1,2 mil.

Vereador orleanense visita deputados estaduais em busca de recursos

O vereador Lucas Canever Librelato representou a Câmara de Vereadores em viagem à Florianópolis

APAE de Orleans recebe novo micro-ônibus

O veículo tem capacidade para 21 lugares e contribuirá na agilidade do transporte dos alunos, além de oferecer segurança e acessibilidade.