Educação

Trânsito: problema de saúde pública

Foto: Divulgação

O Brasil aparece como o 4º país no mundo com maior taxa de mortes no trânsito, fazendo a cada 12 minutos uma vítima, ou seja, 5 mortes a cada hora, segundo dados publicados pelo Observatório Nacional de Segurança Viária – ONSV. Cerca de 210 mil mortes foram registradas nos últimos 5 anos por acidentes de trânsito, aproximando-se do número de mortes oriundas pelas diversas formas de violência pública (armas de fogo, objetos cortantes, agressões) que atingiu, no mesmo período, o patamar de 260 mil pessoas.

Escrevi neste espaço há um tempo sobre este tema tão polêmico. Relendo o que escrevi entristeço-me, pois, os dados continuam os mesmos ou até piores, sinal de que o tempo passa e as pessoas não tomam consciência, as leis continuam frouxas, não há organização para coibir os transgressores, usuários não mudam o comportamento, pouca punição ou ausência dela aos infratores. A cada ano o número de mortes aumenta. Nossos índices são semelhantes aos de países do terceiro mundo. Um verdadeiro massacre. Mas, que causas podem ser apontadas para que tantas tragédias ocorram?

Tudo passa pela educação… É dura a realidade, mas pesquisas mostram que 98% dos acidentes de trânsito são causados por imprudência humana, como: falar ao celular no volante, dirigir alcoolizado, excesso de velocidade, não usar a distância necessária do carro que vai à frente (andar colado), mau uso das setas, não uso do cinto de segurança, falta de manutenção do veículo, dentre tantas outras. Mas, muito tem preocupado autoridades, pais, educadores, enfim toda sociedade o uso das drogas, tanto lícitas quanto ilícitas. Hoje corremos um sério risco de nos cuidarmos na prevenção de doenças graves e acabarmos mortos nas mãos de irresponsáveis no trânsito, pois grande parte das vítimas morre inocentemente.

Não há como negar que acidente de trânsito é um sério problema de saúde pública, que poderia ser evitado, se cidadãos e leis andassem juntos. Enquanto isso não acontece, dinheiro da saúde pública, equipes médicas deixam de atender doentes que estão nas filas, para atender vítimas de acidentes, uma vez que a manutenção da vida é prioridade do atendimento. Bilhões são gastos anualmente no país.

O Código Brasileiro de Trânsito foi criado há 20 anos com o objetivo de reduzir o número de acidentes, mas suas medidas não estão atingindo os objetivos, uma vez que os acidentes não são reduzidos. Pesquisas apontam que desde a sua implantação houve perdas de 720 bilhões aos cofres públicos, valor equivalente a 12% do PIB, dinheiro esse que daria para construir: milhares de hospitais equipados, casas, rodovias, ferrovias; investir em segurança pública; triplicar o número de escolas.

É preciso educação para o trânsito, mais rigor no cumprimento das leis, levar para a cadeia quem não as cumpre, a exemplo de países de primeiro mundo, onde a justiça pune com rigor os crimes cometidos no trânsito. É necessário que se lance mão de ações preventivas, que haja mudança no comportamento das pessoas, que se faça cumprir as leis, não só a “lei seca”, mas todas as que são criadas para garantir a segurança de nossas vidas.

Notícias Relacionadas

Inspirações para o ano novo

O poder da mídia

A professora e colunista Ana Maria Dalsasso avalia a relação da mídia atual com a divulgação de informações sobre o novo tipo de gripe, o H3N2, à população.

Cuidados com a coluna devem ser redobrados no Verão e na praia

Carregar pesos como caixas térmicas e cadeiras de praia podem causar dores e até lesões na coluna.

Bauer, Amin e Kleinübing