Geral

Treviso: prefeito e secretário de Esporte são denunciados por processo de licitação

A documentação protocolada na Câmara de Vereadores comprova que o município contratou uma empresa sem processo licitatório.

Divulgação

Na manhã desta terça-feira (24), o assessor parlamentar do Legislativo, Dalto Venâncio protocolou na Câmara Municipal uma denúncia contra o prefeito de Treviso, Jaimir Comin (PP), e secretário de Esporte, Valmir Massiroli. Segundo Venâncio, os denunciados infringiram a Lei Federal nº 8.666/93, referente as licitações do município.

A documentação protocolada na Casa comprova que o município contratou uma empresa sem processo licitatório. De acordo com o portal da transparência, a prefeitura empenhou, liquidou e pagou R$ 17.160 para a empresa IHS Construção Eireli.

O processo foi realizado em fevereiro deste ano e está sem conformidade com os princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade e publicidade. O município não realizou pesquisa de preço e não apresentou orçamento do serviço.

Ausência de comprovação dos serviços

Além do processo sem licitação, o assessor da Câmara constatou que não houve comprovação efetiva da prestação dos serviços. A denúncia apresenta que o município não possui relatórios de horas ou certificações fiscais. Para Venâncio, o fato não comprova a legitimidade do pagamento feito pelos supostos serviços prestados. Além disso, configura prática de crime de peculato, previsto no Código Penal Brasileiro.

Empresa pertence ao secretário de Esporte

A empresa contratada pelo prefeito Jaimir Comin tem como sócio o secretário de Esporte, Valmir Massiroli. O chefe do Executivo e o secretário são os alvos da denúncia no Legislativo. Conforme a Lei Nacional de Licitações e Contratos Administrativos, o prefeito de Treviso, em hipótese alguma poderia firmar contrato e realizar pagamento para a empresa cujo sócio é o próprio secretário de Esporte. Por fim, a denúncia indica que a contratação direta de empresa pertence ao secretário municipal.

Comissão irá apurar os fatos

A partir de agora, o Legislativo irá nomear uma comissão especial para apurar os fatos. A comissão deve ser formada pelos membros da Casa e será responsável por examinar irregularidades da administração municipal que, no prazo de 30 dias, deverão ser apreciados no plenário.

Divulgação

Colaboração da Câmara de Vereadores de Treviso

Notícias Relacionadas

TRF4 manda afastar do cargo prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro, preso na Operação Chabu

Determinação é que fique 30 dias fora das funções e não faça contato com demais suspeitos de envolvimento na operação. PF investiga a violação de sigilo de operações policiais

Garis participam de café comemorativo com prefeito em celebração ao dia da profissão

O prefeito Valdir aproveitou a oportunidade para agradecer aos colaboradores

“Não é verdade, o Instituto Murialdo não vem para cá”, afirma prefeito de Orleans; VEJA VÍDEOS

Em audiência pública, representantes do ILEM também pediram revogação do decreto de desapropriação de 34 hectares

Prefeito de Orleans revoga decreto de desapropriação das terras do Instituto Leonardo Murialdo

A revogação ocorreu após acordo entre a Administração Pública e o Instituto. Cerca de cinco hectares de terras foram doados à Prefeitura de Orleans.