Educação

UFSC corre risco de cortar bolsas e pesquisas para amenizar bloqueio de verba

Universidade tem valor 18% menor previsto para o orçamento de 2021 em relação ao ano passado, e mais da metade da verba está indisponível

Divulgação

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) corre o risco de precisar cortar bolsas e editais de pesquisa e extensão para amenizar o efeito do bloqueio feito ao orçamento de 2021 da instituição.

A universidade, a exemplo de outras instituições federais de ensino, sofre com os impactos da demora na aprovação do orçamento da União e principalmente com um bloqueio anunciado pelo Ministério da Educação (MEC) em abril. Nesta segunda, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) informou que há risco de precisar fechar no meio do ano por falta de verba.

O secretário de Planejamento e Orçamento da UFSC, Fernando Richartz, apresentou na terça-feira (11) ao Conselho Universitário a situação financeira da universidade e demonstrou preocupação com o bloqueio.

Valor original já é 18% menor que 2020

O orçamento aprovado por governo federal e Congresso para 2021 já previa originalmente um valor 18% menor do que o de 2020 – R$ 115,6 milhões para este ano contra R$ 140,9 milhões do ano anterior, considerando apenas a verba para custeio, como água, energia elétrica, segurança, serviços terceirizados de manutenção. Não entram nesse valor investimentos nem salários e pagamento de pessoal. Os números foram repassados pela própria universidade.

A situação por si só já fez a UFSC precisar revisar contratos e cortar gastos desde o passado, ciente de que teria neste ano um valor menor para as despesas. A estratégia já havia sido adotada em 2019, quando um forte contingenciamento do MEC fez a universidade adotar uma série de restrições para manter as atividades.

Mas a preocupação manifestada pela gestão da universidade ocorre porque a situação pode ficar ainda mais crítica. Dos R$ 115,6 milhões previstos para a universidade, R$ 69 milhões ainda estão condicionados a uma aprovação complementar do Congresso ao orçamento – o aval é necessário porque integra um valor que poderia fazer o Executivo descumprir a chamada “regra de ouro”, que impede o governo de gerar dívida para honrar despesas de custeio.

Outro entrave é o bloqueio nas verbas destinadas às universidades feito pelo MEC após a aprovação do orçamento. No caso da UFSC, R$ 21,7 milhões destinados a custeio estão bloqueados.

Sem o desbloqueio desses dois valores, a UFSC teria hoje apenas R$ 46,5 milhões disponíveis para custeio de todo o ano – cerca de um terço dos R$ 140 milhões de 2020. Segundo a UFSC, esse valor do pior cenário seria insuficiente para levar as atividades da universidade até o fim do ano.

Economia do ensino remoto supriu outras necessidades

Nem mesmo a economia gerada com o ensino remoto adotado desde 2020 ameniza a situação. Isso porque, segundo o secretário de Orçamento da UFSC, a economia em áreas como consumo de água, energia e impressões causada pelas aulas on-line foi redirecionado para auxílio alimentação de estudantes com vulnerabilidade e para a estrutura de tecnologia, que precisou ser reforçada para suportar o modelo a distância.

– Não é porque fecha o ano com R$ 115 milhões, por exemplo, que fecha na condição ideal. O nível de funcionamento é muito aquém do que se espera. Quando isso vem se acumulando ano após ano, no final chegará um momento que gastará demais para deixar em um padrão elevado – avalia Richartz.

As universidades federais e a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) vem pressionando parlamentares e o governo pelo desbloqueio dos valores às instituições.

Três cenários financeiros possíveis para a UFSC em 2021

Cenário 1

R$ 115,6 milhões para custeio e investimentos – Orçamento total

Caso o Congresso aprove a segunda parte do orçamento da União e o MEC libere os valores bloqueados em abril, a UFSC teria os R$ 115,6 milhões previstos originalmente para custeio das atividades e investimento em 2021.

Nesse caso, a UFSC pretende continuar revisando contratos de serviços terceirizados, como vem fazendo nos últimos meses, para reduzir os custos. Ainda assim, o valor seria 19% menor do que o de 2020.

– Dentro desse valor, por meio da gestão de contratos, dá para fechar o ano. Não com a qualidade que a gente quer, mas conseguimos fechar porque nós já fizemos renegociação de contrato de energia, portaria, vigilância, desativamos postos, impressoras, e estamos em cada contrato chamando os fornecedores para negociar – afirma Richartz.

Cenário 2

R$ 93,8 milhões – bloqueio mantido

Outra possibilidade é que apenas um dos valores que hoje estão indisponíveis para a UFSC seja liberado. Se apenas o Congresso aprovar a parte restante, mas o MEC não desbloquear os R$ 21 milhões retidos, o UFSC teria R$ 93,8 milhões para o ano.

– Se o bloqueio permanecer, só renegociar contratos não vai ser suficiente. Vamos ter que suspender algumas ações que a UFSC vinha fazendo, investimento em pesquisa e extensão, bolsas de pesquisa, editais de cultura, tudo isso vamos ter que suspender. Não vamos fornecer a plena capacidade porque vamos ter que tomar essas ações para poder manter (as atividades) – explica.

Cenário 3

R$ 46,5 milhões – orçamento rejeitado

O pior dos três cenários ocorre se por algum motivo o Congresso não aprovar a parte complementar do orçamento. Nesse caso, a UFSC teria apenas R$ 46,5 milhões para fechar o ano. É menos de um terço do que a universidade teve para custear as atividades em 2020.

– Nesse cenário você vai parar de pagar os fornecedores e em dois, três meses, eles vão parar de oferecer os serviços. Se o Congresso não aprovar ao menos a parte do orçamento que nos daria R$ 69 milhões, não só a UFSC, mas todas as universidades vão ter que parar. É por isso que temos feito a mobilização forte para que esse valor seja aprovado e que o bloqueio dos R$ 21 milhões seja revertido o mais rápido possível – afirma Richartz.

Entenda

Orçamento da UFSC para 2021

Despesas discricionárias*

Custeio: R$ 115.643.847,00 (desse valor, R$ 69 milhões dependem de uma aprovação do Congresso e R$ 21,7 milhões estão bloqueados pelo MEC)

Investimentos: R$ 2.933.562,00

Recursos próprios: R$ 39.499.701,00

Emendas parlamentares: R$ 1.250.000,00

* Despesas discricionárias são as que a universidade pode decidir onde aplicar e são destinadas a custeio, como água, energia elétrica, segurança e serviços terceirizados, além de investimentos, como compra de equipamentos, recursos próprios (gerados pela própria instituição com aluguel de espaços) e verba recebida de emendas parlamentares de deputados e senadores.

Salários e pagamentos de professores e servidores fazem parte das chamadas despesas obrigatórias e não entram nesta conta.

Fonte: Secretaria de Planejamento e Orçamento da UFSC / Com informações do NSCTotal

Notícias Relacionadas

Fapesc investe R$ 1 milhão em novos estudos para produção de vinho e uva em SC

A produção de uvas e vinho abrange ainda uma área de cultivo de cerca de 6 mil hectares em diferentes regiões. Só de vinícolas, são 95 empresas registradas no Estado

Profissionais da Assistência Social passam por minicurso sobre abordagem antirracista em Criciúma

Palestra foi ministrada por três profissionais da área da Educação e Direito e ocorreu no Salão Ouro Negro

24 horas: Um sonho de 30 anos realizado em Cocal do Sul

A inauguração será neste domingo (26), às 18h, no dia do aniversário de 30 anos de Cocal do Sul

Edital Cultura Criciúma contemplará 30 projetos com R$ 133 mil

Inscrições podem ser feitas até o dia 22 de outubro. Objetivo é incentivar atividades culturais na cidade