Geral

Um ano de Saudades: o que mudou após a chacina que chocou o Brasil

Três bebês e duas professoras foram brutalmente assassinados em 4 de maio de 2021; saiba quais foram as medidas adotadas pelo município um ano após a tragédia

Foto: Prefeitura de Saudades/Divulgação

Paredes pintadas com novas cores. O local que antes era uma sala de aula, hoje é um parquinho infantil. Câmeras instaladas em todos os cômodos. Contratação de vigilantes e até mesmo botões de ‘pânico’ para casos de emergência. Essas foram algumas medidas tomadas após a chacina no município de Saudades, no Oeste de Santa Catarina.

O massacre escolar registrado na manhã de 4 de maio de 2021 na creche Pró-Infância Aquarela completa um ano nesta quarta-feira (4). Três bebês e duas professoras foram brutalmente assassinados por um homem de 18 anos que esfaqueou as vítimas.

A tragédia ocorrida no município de pouco mais de nove mil habitantes deixou marcas permanentes em todos que ali vivem. Um ano após o episódio, moradores ainda tentam se adaptar à rotina em meio ao luto e a sensação de insegurança.

Enfrentamento psicológico

O prefeito Maciel Schneider, pai de uma criança de 2 anos que frequenta o berçário da creche Aquarela, falou sobre as medidas adotadas pelo município após a chacina. Uma delas foi mudar o projeto arquitetônico do ambiente para promover a sensação de acolhimento aos alunos e funcionários.

“Quatorze dias após o ocorrido a unidade já estava em funcionamento. Mudamos completamente o ambiente. Trouxemos um novo projeto arquitetônico. A sala onde aconteceu a cachina foi transformada em uma área de livre circulação. Antes as cores eram escuras. Com a reforma, trouxemos cores mais leves”, explicou.

Ainda pensando no bem-estar emocional das crianças, pais e funcionários, o município disponibilizou apoio psicológico. Foram contratados 24 novos psicólogos por meio do Governo de Santa Catarina para atender a demanda do município. Além disso, voluntários do curso de Psicologia da Unoesc auxiliam até hoje os moradores de Saudades.

“Com certeza foi o maior desafio da minha vida. Tivemos que unir forças para enfrentar essa tragédia. Hoje, como pai, me sinto tranquilo ao deixar meu filho lá todos os dias. O problema não está no ambiente, mas na cabeça de quem fez isso. O crime poderia ter acontecido em qualquer outro lugar, em uma farmácia, em um mercado ou em um banco”, frisou o prefeito.

Sistema de segurança

O sistema de segurança das escolas municipais de Saudades mudou drasticamente. Após a cachina, foram investidos cerca de R$ 500 mil. Segundo Schneider, no dia da tragédia não havia câmeras de segurança instaladas nos ambientes, porteiro eletrônico, vigias e tampouco botão do ‘pânico’ para situações de emergências.

Hoje, a creche Aquarela e as outras sete instituições que atendem crianças de 0 a 5 anos no município contam com uma rede de segurança ampla e moderna. Foram contratados cinco vigilantes, instaladas câmeras em todos os cômodos das escolas, instalado o porteiro eletrônico para a entrada e saída de pessoas e incluído o botão do ‘pânico’ nas salas de aula.

Ao ser acionado, o dispositivo envia um alerta silencioso à central de monitoramento 24 horas. Os botões fazem parte do sistema do Centro Integrado de Videomonitoramento vinculado as polícias Civil e Militar do município.

Trata-se de uma PPP (Parceria Público Privada) realizada com empresas de monitoramento eletrônico. Com isso, os botões e as câmeras acionam as forças de segurança em questão de segundos. As câmeras captam possíveis situações irregulares ou atitudes incomuns.

Operação Escola Segura

Após a tragédia em Saudades, a 4ª RPM (Região da Polícia Militar), que abrange 54 municípios da região, implantou a operação Escola Segura. A ação tem o objetivo de intensificar ações de segurança em escolas públicas e privadas.

De acordo com o comandante da 4ª RPM, Jorge Luiz, a operação busca prevenir a prática de crimes em escolas, orientar educadores, realizar patrulhamento, rondas escolares, palestras e atividades lúdicas nas escolas.

“Em 2021, mesmo com a pandemia, realizamos várias ações preventivas. Em 2022, com o retorno das atividades presenciais, vamos intensificar ainda mais as ações. A nossa preocupação, junto com as demais forças, é garantir a segurança nas escolas”, disse.

Escolas de SC aguardam vigilantes nas unidades

Na rede estadual de ensino, a contratação de guardas foi a solução encontrada pelo Governo do Estado de Santa Catarina para intensificar a segurança nas mais de mil escolas. O objetivo era aumentar a confiança dos pais ao deixar seus filhos nas instituições de ensino. No entanto, o projeto nunca foi tirado do papel.

O processo para a contratação dos profissionais chegou a ser iniciado, mas devido à ausência de uma audiência pública, foi suspenso. Os serviços foram anunciados pela SED no dia 12 de maio de 2021. O processo previa a contratação de vigilantes em 566 escolas do Estado. Além disso, incluía a compra de equipamentos de segurança, como sensores de presença e sistemas de alarme.

Em nota, a SED disse que aquele processo licitatório foi anulado e foi iniciado um outro processo licitatório. “A Secretaria de Estado da Educação está elaborando o termo de referência, que após finalizado será enviado à Secretaria de Estado da Administração para abertura do pregão”, justificou.

Com informações do ND+

Notícias Relacionadas

Acusado de ataque em creche de Saudades será ouvido pela Justiça em 24 de agosto, diz TJSC

Réu por cinco homicídios consumados e 14 tentados, ele teve exame de sanidade mental negado pela 3ª vez. Acusado dará seu depoimento à justiça via internet de dentro de unidade prisional.

Ex-policial militar condenado por matar cinco pessoas da mesma família é preso em Laguna

Os crimes aconteceram em 2016, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, e ele estava foragido da Justiça há por volta de dois anos.

Cidade de SC lança cartilha de saúde em idioma do Haiti para atender os mais de 300 imigrantes

Objetivo do material é facilitar a comunicação entre esse grupo e os profissionais da áre da saúde

SC tem menor taxa de desemprego do país no 1º trimestre de 2022, segundo IBGE

Taxa de desemprego no Estado foi de 4,5%, menos da metade do dado médio nacional que foi de 11,1%