Saúde

UniSatc restaura máquina de fraldas para Cruz Vermelha

Projeto foi realizado por alunos do curso de Engenharia Mecânica, com o apoio do mestrado em Engenharia Metalúrgica

Divulgação

A Cruz Vermelha de Criciúma poderá dobrar a quantidade de fraldas geriátricas que produz atualmente para doações. Isso será possível porque a instituição recebeu uma segunda máquina para a fabricação de fraldas. A máquina estava inoperante e foi restaurada pelo curso de Engenharia Mecânica, com o apoio do mestrado em Engenharia Metalúrgica do Centro Universitário Satc – UniSatc.

O processo de restauração da máquina levou em torno de seis meses. Foi o tempo que os alunos levaram para fazer o desenvolvimento do projeto, fabricar novas peças, ajustar o tamanho e deixar a máquina em perfeitas condições de funcionamento. “Entramos em contato com a fábrica para ver como era a parte de automação da máquina e algumas coisas nós desenvolvemos a partir dos nossos conhecimentos mecânicos para deixar o sistema ainda mais resistente”, completa o professor de Manutenção, Processos de Fabricação e coordenador do mestrado, Anderson Daleffe.

A máquina vai ser utilizada no projeto Fábrica de Fraldas, que foi criado pela Cruz Vermelha em 2019. Com o apoio de doações, a instituição fabrica uma média de 4.100 fraldas geriátricas por mês, número que pode ser dobrado com a nova aquisição. Segundo o coordenador da Cruz Vermelha de Criciúma, Almir Fernandes, a ideia é ampliar o projeto para produzir fraldas infantis também, mas depende do apoio da sociedade.

“As fraldas são fabricadas por dois grupos de voluntários, que trabalham nas segundas e quintas-feiras. Com a nova máquina, podemos criar e treinar um terceiro grupo, mas dependemos de matéria-prima, que só conseguimos adquirir através de doações”, ressalta. Atualmente, 22 instituições filantrópicas da região são beneficiadas pelo projeto.

Conhecimento e solidariedade

Além do trabalho social, a restauração da máquina também proporcionou aos alunos novos conhecimentos e experiências. Segundo o coordenador do curso de Engenharia Mecânica, Luiz Carlos de Cesaro Cavaler, através desses projetos de extensão, os alunos têm a possibilidade de adquirir ainda mais prática nos conteúdos ensinados em sala de aula. “Um diferencial a mais que os alunos encontram no curso de Engenharia Mecânica”, destaca.

O projeto de restauração da máquina foi desenvolvido pelos alunos Hadrian Martins, Giordan de Souza e Márcio Afonso. O professor Douglas de Medeiros Deolindo, do curso de Engenharia Elétrica, auxiliou no processo de reparação e instalação do painel elétrico. A equipe está trabalhando, ainda, na restauração de uma terceira máquina, que deve ser disponibilizada para a Cruz Vermelha nos próximos meses.

Notícias Relacionadas

Embarcação vira com quatro pescadores no Balneário Rincão

Ocorrência foi atendida pelo Serviço Aeromédico (Saer)

Covid-19: chega ao fim estado de emergência em saúde pública no Brasil

Segundo o governo, nenhuma política pública de saúde será interrompida

Homem de 57 anos é preso após tentar beijar menina de 11 anos à força, em Orleans

Fato ocorreu na Rua Aristiliano Ramos, na tarde deste sábado, dia 21.

Número de transplantes de rim caiu nos últimos dois anos

Sociedade Brasileira de Urologia lançou campanha para estimular doação