Geral

Veja quais são os ‘vilões’ da alta do preço dos alimentos em SC

Falta de chuva e guerra entre Ucrânia e Rússia seguem afetando a economia e o bolso do catarinense.

Divulgação

O grupo de alimentação e bebidas ficou quase 10% mais caro nos últimos 12 meses em Florianópolis. Apesar disso, alguns produtos devem seguir o mesmo ritmo a sequência da estiagem e a permanência do guerra entre Ucrânia e Rússia, por exemplo.

Primeiro, é importante destacar que os gastos em produção também ficaram mais caros. De acordo com o analista de socioeconomia do Epagri, Rogerio Goulart, os insumos, por exemplo, fertilizantes para plantação triplicaram de preço nos últimos meses.

“Grande parte da nossa importação, como potássio e fosfato nitrogenado vem de países afetados na guerra entre Ucrânia e Rússia. A parte que não vem desses locais ficaram mais caros por conta da questão logística e marítima, por exemplo, pouco contêiner e navios que precisaram mudar de rota resultam no aumento do frete”, explica Rogerio Goulart.

Além do critério de importação, a crise de fertilizantes também é ocasionada por conta da falta do produto no mercado. “A diminuição da importação resulta no aumento do preço internacional”, complementa o analista.

Rogério Goulart destaca ainda que a alta do preço dos combustíveis também é um dos vilões para o encarecimento dos alimentos no cenário nacional e catarinense.

“Assim como a questão da importação, a alta dos combustíveis também resulta no aumento dos produtos por conta do frete entre as cidades e estados”, complementa.

Influência meteorológica

Ainda de acordo com o analista do Epagri/Cepa (Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola), a estiagem prejudicou o desenvolvimento de alguns produtos da safra de Santa Catarina.

Conforme o boletim mensal da Epagri/Cepa, o feijão, um dos principais produtos da mesa do brasileiro, foi prejudicado devido a condição climática.

“As estimativas iniciais para a safra 2020/21 de feijão 1ª safra eram muito boas. Em agosto de 2021, os bons preços praticados durante o ano, bem como a necessidade de promover a rotação de culturas nas áreas de lavouras, motivou produtores a aumentar suas áreas de plantio de feijão, contudo a estiagem frustrou as expectativas”, destaca a equipe no boletim.

Além disso, o milho também é outro produto que deve ficar com preço elevado por conta da estiagem e da guerra entre Ucrânia e Rússia.

Atualmente, a Ucrânia é o 6º maior produtor mundial e Santa Catarina tem um déficit de mais de 5 milhões de toneladas por ano do produto, ou seja, que precisa ser suprido por meio do comércio interestadual e importações.

“As dificuldades de exportação do milho ucraniano, em decorrência do conflito, devem contribuir para manter os preços do milho em patamares elevados e dificultar o abastecimento do estado. Essa situação é agravada pela estiagem que afeta a região Sul do país”, complementa o boletim agropecuário.

Inflação nacional e em Florianópolis

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou os dados da prévia da inflação que apontam o peso dos alimentos nos custos da alimentação.

De acordo com o UOL, a cenoura teve um aumento de 45,65%, o tomate 15,46% e batata-inglesa 11,81%.

Já em Florianópolis, o aumento do tomate foi de 9,72% e a batata-inglesa subiu 13,12%. Os dois alimentos fazem parte do grupo de tubérculos, raízes e legumes que teve um reajuste de 8,79% entre o mês de fevereiro e janeiro, conforme a pesquisa de Índice de Custo de Vida da Capital realizada pela Udesc (Universidade do Estado de Santa Catarina).

De acordo com o levantamento de fevereiro, o grupo de alimentos e bebidas ficaram 9,56% mais caro nos últimos 12 meses, ou seja, em comparação ao mês de fevereiro de 2021.

Com informações do site ND Mais

Notícias Relacionadas

Santa Catarina registra dois novos casos de coronavírus e divulga plano de contingência para enfrentar a doença

Coronavírus em SC: Santa Catarina salta 16 posições e está entre os estados com menor incidência da doença no país

As estratégias de isolamento social e combate ao coronavírus levaram Santa Catarina a avançar para posição de destaque nacional no enfrentamento à pandemia.

Produtor do melhor mel do mundo, Santa Catarina prevê safra acima da média em 2020

Santa Catarina tem uma série de fatores que, naturalmente, favorecem o cultivo de um mel diversificado e até mais puro.

PRF prende um dos assaltantes mais procurados de Santa Catarina na BR-101, em Biguaçu

O suspeito é conhecido por assaltos, furtos de cofres de empresas e caixas eletrônicos no oeste e meio oeste catarinense.