Geral

Verão soma 12 vítimas fatais por afogamento em SC

Homens, na faixa etária dos 25 anos são as principais vítimas; período teve 879 salvamentos e resgates após afogamento no Estado

Divulgação

Doze pessoas morreram afogadas no Estado, segundo boletim divulgado pelo CBMSC (Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina), que monitora essas ocorrências na alta temporada. Foram oito casos em água doce e quatro em água salgada.

Os números são de 18 de dezembro de 2020, quando os postos de guarda-vidas foram ativados em todo Estado, até a divulgação do último boletim, em 3 de janeiro de 2021.

Em relação à última temporada, no mesmo período, houve uma redução de 40% no número de mortes por afogamento. Na temporada passada foram 20 mortes, frente as 12 do período atual.

Segundo o Corpo de Bombeiros, as localidades com afogamentos seguidas por morte foram em pontos sem guarda-vidas. Além disso, analisando a sequência de boletins, é possível perceber que até 20 de dezembro havia somente uma morte e os números começaram a subir com a aproximação do Natal e Réveillon.

O segundo boletim sobre afogamentos dos bombeiros, que compreendeu os dados de 18 a 27 de dezembro – portanto abrangendo o Natal – registrava dois afogamentos seguidos por morte em água doce no Estado e uma vítima fatal após afogamento em água salgada.

Perfil das vítimas de afogamento em SC

No réveillon, na praia da Joaquina, em Florianópolis, por volta da 1h, um jovem de 23 anos estava no costão da praia quando foi atingido por uma onda, se desequilibrou, bateu nas pedras e caiu no mar. Os amigos tentaram ajudar, mas não conseguiram e o homem se afogou e morreu.

Este jovem que perdeu a vida na Joaquina se encaixa no perfil das vítimas fatais de afogamento em SC: majoritariamente homens, com idade média de 25 anos. Segundo os boletins, das 12 vítimas fatais de afogamento, 11 eram homens e somente uma mulher.

Localidades sem guarda-vidas

De acordo com a assessoria dos Corpo de Bombeiros, os locais desguarnecidos, que não possuem postos de guarda-vidas, são aqueles onde ocorreram as principais situações de afogamento em Santa Catarina. São locais sem guarda-vidas, ou cujo os postos estavam fechados na hora dos incidentes.

Atualmente, Santa Catarina possui um efetivo com cerca de 1.500 guarda-vidas civis, com prestação de serviço voluntário e militar. Segundo a assessoria do Corpo de Bombeiros, os locais são escolhidos “de acordo com um mapeamento criado pelo Comando da corporação, junto com os batalhões e identificando a necessidade de acordo com o local.”

A corporação informou ainda que este estudo é atualizado todos os anos e, quando preciso, mais profissionais são destinados à função.

Alta temporada soma 879 salvamentos e resgates

O mais recente boletim sobre afogamentos em Santa Catarina do Corpo de Bombeiros registra 1.892.856 trabalhos de prevenção realizados entre 18 de dezembro de 2020 a 3 de janeiro de 2021.

No período, também houve 886 lesões por água-viva; 262 crianças se perderam dos pais; 879 salvamentos e resgates e 42 ocorrências atendidas pelo Arcanjo.

O boletim sobre o trabalho dos bombeiros catarinenses no verão, que abrange os dados de afogamentos no Estado, é atualizado toda semana. O próximo deve ser divulgado no dia 10 de janeiro.

Notícias Relacionadas

Polícia Civil prende organização criminosa por diversos roubos em Criciúma e latrocínio em Morro da Fumaça

Nesta terça-feira, dia 4, quatro pessoas foram presas e drogas, dinheiro e celulares foram apreendidos.

Justiça condena empresa que vendeu mas não entregou R$ 2 milhões em máscaras a SC

A distribuidora foi penalizada com multa de 10% sobre o contrato e ainda foi suspensa de participar de novas licitações pelo prazo de seis meses

Secretária de Saúde de Braço do Norte libera 1.356 exames com investimento de mais de R$ 170 mil

Conforme o secretário da Saúde, Sérgio Fernando Domingos Arent, as pessoas que estão à espera dos procedimentos podem ficar tranquilas, pois a Secretaria de Saúde vai entrar em contato para o agendamento

Homem é detido após quebrar imagens da Igreja Matriz, em Treze de Maio

Antes de ir à igreja, ele esteve no posto de saúde central e atacou funcionários e destruiu móveis