Serra

Vereadores abrem processo de cassação contra prefeito de Urubici

De acordo com a Câmara, o prefeito teria pago despesas em eventos à empresa pertencente ao filho dele.

Foto: Divulgação

A Câmara de Vereadores de Urubici, na Serra Catarinense, abriu uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) contra o prefeito do município, Antônio Zilli (PSDB). O processo de impeachment foi aprovado por 6 votos a 3, dos 9 vereadores locais, durante sessão legislativa desta semana. Zilli é suspeito de ter cometido irregularidades administrativas. Ele nega as denúncias.

A comissão foi criada a partir da conclusão de outra (CPI), que apurou supostas irregularidades cometidas pelo prefeito na Secretaria de Turismo. Foi instaurada com base no Decreto Lei 201/1967, que trata sobre os crimes político-administrativos envolvendo gestores públicos. As denúncias também foram encaminhadas ao Ministério Público.

De acordo com o presidente da comissão, vereador Guilherme Oberlaender (PPS), durante a apuração da CPI, foi contatado que o prefeito pagou despesas em eventos à empresa pertencente ao filho dele. A manobra foi realizada sem o aval da Secretaria de Turismo e do Conselho Municipal da pasta, e teria possibilitado pagamento de cerca de R$ 100 mil, de maneira indevida.

Guilherme pontua que, por diversas vezes, foram solicitadas informações à prefeitura, mas nenhuma foi fornecida. Nem o prefeito compareceu à Câmara para prestar esclarecimentos durante a primeira CPI. No entendimento do parlamentar, faltou transparência nos atos do prefeito.

O processo de impeachment tem prazo de 90 dias para ser concluído e, durante este período, o prefeito terá a oportunidade de se defender. Ao final da investigação, a comissão apresentará relatório que emitirá o parecer pelo arquivamento ou prosseguimento da denúncia. Caso a comissão decida pelo impedimento do prefeito, o julgamento será feito em plenário.

Além do vereador Guilherme, fazem parte da comissão os vereadores José Luís Andrade (MDB), Lucas Warmling (PSDB), Gilberto Morgan (PSDB) e Ivair Niehues (PR).

O que diz a prefeitura

Prefeito acusado Antônio Zilli (PSDB) Foto: Divulgação

A prefeitura de Urubici se manifestou por meio de nota de sua assessoria de imprensa, negou qualquer irregularidade e declarou que “tudo será esclarecido de forma transparente”.

Afirmou, ainda, “ter total confiança nos poderes constituídos e não se tornará refém de manobras políticas que visam a atacar a pessoalidade do prefeito, por forças que tentam usar a comunidade como massa de manobra para fins de promoção política, incitando o caos na atual administração”.

Disse lamentar que “estas mesmas forças ocultas não estão medindo as consequências do desgaste à imagem de Urubici”. E afirmou ainda que “tais ataques denotam claramente paixões pessoais e a ganância pelo poder”.

A nota terminou observando que “o tempo e a Justiça irão relatar de forma justa e perfeita todos os fatos, e a verdade prevalecerá acima de tudo”

Com informações do Correio Lageano

Notícias Relacionadas

TRF4 manda afastar do cargo prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro, preso na Operação Chabu

Determinação é que fique 30 dias fora das funções e não faça contato com demais suspeitos de envolvimento na operação. PF investiga a violação de sigilo de operações policiais

Desconto nos salários: prefeito, vice e secretários de Braço do Norte cumprem doação de 20%

Ao todo foram depositados R$ 6.594,30 na conta do Fundo da Secretaria Municipal de Saúde e R$ 6.594,30 na conta do Fundo Municipal de Assistência Social, totalizando R$ 13.188,60.

Garis participam de café comemorativo com prefeito em celebração ao dia da profissão

O prefeito Valdir aproveitou a oportunidade para agradecer aos colaboradores

Reunião discute medidas para reduzir filas nas agências bancárias, em Içara