Poder Legislativo

Vereadores de Lauro Müller denunciam perseguição, assédio e pagamento de gratificação indevida

Em sessão acalorada, vereadores de oposição explanaram sobre fatos envolvendo o Poder Executivo e cobraram justificativa

Divulgação

Os vereadores lauromüllenses do PP, Guilherme Coan, Alexsandro Marchioli e Ronaldo da Silva, em uso na tribuna durante a sessão ordinária da Câmara de Vereadores desta segunda-feira, dia 12, trouxeram fatos à tona envolvendo o Poder Executivo Municipal. Conforme as explanações, está havendo perseguição política contra professores e uma gratificação salarial está sendo concedida de forma indevida ao presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Lauro Müller (SISELM), Glaiton Medeiros.

Na ocasião, o vereador Guilherme Coan declarou que instruiu um professor procurar um advogado para defender seus direitos. Além disso, citou alguns pontos de uma carta escrita por um docente e entregue a ele. “Há casos de professores, não vou levantar nomes aqui para não haver mais assédio moral do que já está acontecendo. Vou falar o caso de um professor que foi nomeado, ganhou horas adicionais de trabalho de forma irregular, simplesmente por promessas, acredito. Ganhou essas horas adicionais sem um edital fixo, sem os outros professores saberem. Simplesmente foi dado para uma pessoa”, contou.

“Até aí tudo certo, ninguém ficou sabendo, pois não havia sido publicado oficialmente no Diário Oficial do Município. Essa pessoa é do grupo de risco. Ela teve que ir ao médico e ganhou o atestado para trabalhar em casa. Mesmo assim, recebeu uma ligação do secretário dizendo que seriam retiradas essas 20 horas de trabalho adicionais. Isso gerou uma discussão muito grande nas redes sociais e um fato como este acaba prejudicando a imagem de todos, até de nós vereadores. Se um colaborador pega atestado, é proibido tirar direitos dele. Essa pessoa está sofrendo pressão psicológica”, concluiu.

Pagamento de gratificação ao presidente do SISELM

O assunto relacionada à gratificação que supostamente está sendo paga de forma indevida ao presidente do SISELM foi levantado pelo vereador Alexsandro Marchioli (PP). Ele contou que foi questionado por Glaiton Medeiros após publicar um vídeo em que criticava o fato de o Executivo ter cortado dos servidores, sem justificativa e aviso prévio, o recebimento do terço de férias conforme o mês de sua contratação.

“Semana passada, eu postei um vídeo nas redes sociais falando sobre o fato de quererem tirar o terço das férias dos professores e dos funcionários. O presidente do Sindicato me ligou questionando o motivo de eu ter feito aquele vídeo. Eu respondi que eu fiz o que ele deveria ter feito. Na gestão passada, qualquer coisa que acontecia, presidente e vice-presidente do Sindicato iam para a rádio e para as redes sociais falar do prefeito. Por que agora se escondeu? Isso me deixa triste. Ele foi eleito pelos funcionários públicos e tem a obrigação de brigar por eles, mas não está fazendo isso”, lamentou.

Conforme o parlamentar, essa cobrança por parte de Glaiton soou de forma suspeita a ele. “Não quero estar aqui hoje dizendo isso, que você não se manifestou por causa da gratificação de 30% que você ganha do Executivo. Não sei se vocês sabem. Eu nunca vi na minha vida um presidente de Sindicato ganhar remuneração do Poder Executivo. Esse é a primeira vez. Se alguém duvida, é só ir no Portal da Transparência ou pedir que eu passo pelo WhatsApp”, apontou.

Na sequência, o vereador Ronaldo da Silva (PP) reforçou tal declaração. “Eu peguei a Portaria do Glaiton e vi que ganhava 30%, sem justificar que é por outro motivo. Como vereador, temos a obrigação de ir atrás e a gente sabe que tem uma pequena possibilidade de ser por um tal de PAD [Programa de Parcelamento Administrativo de Débitos], que vão abrir um inquérito sobre um funcionário. Mesmo se for por isso, está errado, pois, na lei, diz que só pode ganhar 25%. Na Portaria dele, tem um PAD com o nome dele, e é 25%. E se for isso, tem que ter um prazo, não são pelos quatro anos, e aqui também não consta nada. Isso me prova um contexto de coisas que eu venho juntando. Não sou um vereador que quer vir aqui só criticar, eu estou provando. O papel do vereador é fiscalizar e estão dando gratificação de forma errada, politiqueira”, frisou.

Presidente da Casa sai em defesa

O presidente da Casa Legislativa, vereador Manoel Leandro Filho (MDB), saiu em defesa de Glaiton Medeiros, informando que tal ocorrido já havia sido resolvido. “Sobre o presidente do Sindicato, o Glaiton Medeiros ganhou a gratificação, mas ele próprio já pediu para tirar. Ele está ali e vai representar os funcionários da Prefeitura de Lauro Müller”, declarou.

Notícias Relacionadas

Santa Catarina dá início à colheita de cereais de inverno

O estado deve produzir 348 mil toneladas de trigo, o maior valor dos últimos dez anos

Vírus respiratórios ressurgem em crianças e acendem alerta

Alerta é do boletim Infogripe, da Fiocruz

É falso que novos radares da BR-101 de SC vão ser ativados em novembro; entenda

Mensagens nas redes sociais fizeram alerta incorreto sobre início da fiscalização no dia 2 do próximo mês

Prefeitura de São Ludgero funcionará normalmente na segunda-feira (1º)