Educação

Volta às aulas: veja o que muda nas medidas contra a Covid-19 das escolas de SC

Testagem de casos suspeitos e diminuição do distanciamento estão entre as regras do Estado

Divulgação

Santa Catarina e São Paulo foram pioneiros no retorno das aulas presenciais no início do ano e, agora, organizam medidas de readequação para o começo do segundo semestre de 2021. Com a melhora nos números da Covid-19 e com o incentivo do Minsitério da Educação, a partir de agosto, a maioria dos estados brasileiros também começa o movimento de retorno às aulas presenciais após 16 meses de paralisação por conta da pandemia da Covid-19.

No segundo semestre, o sistema de ensino de SC será o mesmo dos primeiros meses do ano, com modelos presenciais, híbridos e remotos. O que muda é que o Estado organiza um projeto piloto para testar estudantes, professores e servidores com suspeita de Covid-19, além de reduzir a recomendação do distanciamento entre os estudantes em sala de aula de 1,5 m para 1 m e começar uma abertura para a inserção de projetos externos nas escolas.

As mudanças foram discutidas e aprovadas pelo Comitê de Retomada das Aulas Presenciais na tarde de quinta-feira (29) e serão oficializadas em uma portaria a ser publicada nos próximos dias. As escolas têm até 30 dias para adaptação ao regramento, mas os municípios podem ser mais restritivos e continuarem exigindo o distanciamento de 1,5 m.

Distaciamento e mais alunos em sala de aula

Como o secretário da Educação, Luiz Fernando Vampiro, já havia sinalizado, a distância mínima entre os estudantes foi diminuída de 1,5 m para 1 m em sala de aula. A nova norma aumenta o número de alunos circulando no dia a dia das escolas. O objetivo é aumentar a quantidade de estudantes presenciais para diminuir a defasagem na aprendizagem e o abandono escolar.

O distanciamento entre as pessoas durante a pandemia é um fator discutido por estudiosos. Enquanto algumas pesquisas indicam uma distância ideal de 4 m, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda um distanciamento mínimo de 1 m. Até o momento apenas Rio de Janeiro e São Paulo também reduziram a distância para a volta às aulas.

Para implantar essa nova medida, as escolas precisam realocar as carteiras e reorganizar a logística de distribuição das turmas. Por isso, a maioria das unidades retorna na segunda-feira (2) seguindo o distancimento de 1,5 m, para depois se readequar às regras.

Testagem da comunidade escolar

No segundo semestre, a testagem dos casos suspeitos em colaboradores e alunos das escolas da rede estadual de ensino vai acontecer nas regiões com maiores índices de contaminação pela Covid-19. Quando a suspeita for identificada, a pessoa será encaminhada ao posto de saúde do município para fazer o teste.

Esse ainda é um projeto piloto da secretaria da Educação e da Saúde, a ideia é ampliar a ação para todo o Estado a partir de 2022, quando a rede estadual programa uma retomada total dos alunos ao presencial.

Projetos externos

Durante o primeiro semestre só podiam circular no ambiente escolar os colaboradores, alunos e pais, caso fosse muito necessário. Agora, o comitê autorizou a abertura das escolas para projetos externos, como ações de conscientização de saúde, segurança e combate ao consumo de drogas. Para isso, será necessário aprovar as atividades no comitê de retomada.

Com informações do NSCTotal

Notícias Relacionadas

Coopercocal nas Comunidades reúne associados em Santana

O evento aconteceu sexta-feira (24) e contou com a presença de associados das localidades de Santana, Santaninha e Rio Carvão

SC chega a 70% da população vacinada com a 1ª dose contra Covid

Com avanço da imunização, Estado apresenta melhora na matriz de risco para a doença

CCR ViaCosteira informa cronograma semanal de obras na BR-101 Sul

Para a execução desses os serviços são necessários bloqueios de faixas e operações pare-e-siga, podendo ocasionar lentidão ou retenção de veículos em alguns segmentos

Prazo para aderir ao Refis em Criciúma encerra nesta quinta-feira

Contribuintes terão direito a descontos em juros e multas que podem chegar a 50%. Os valores serão destinados a serviços de saúde