Educação

WhatsApp

Foto: Divulgação

A mudança faz parte do cotidiano das pessoas desde que o mundo é mundo. Numa retrospectiva histórica constataremos que a revolução industrial mudou a vida da humanidade em função do constante aperfeiçoamento e sofisticação da tecnologia, passando da era da máquina a vapor à da internet das coisas, que nos coloca, em tempo real, a par de tudo o que acontece no Planeta.

Na segunda metade do século XVIII aconteceu a primeira revolução tecnológica com a descoberta do ferro e do carvão; o final do século XIX marca o início da segunda revolução com a descoberta da energia elétrica e do uso do petróleo como combustível; a partir da segunda metade do século XX começa a se propagar a terceira revolução, chamada de digital ou do computador. Ainda em construção, porém pela rapidez com que se propaga, percebe-se a iminência da quarta revolução: a do conhecimento e da comunicação, na qual sobreviverão as organizações que tiverem agregando à sua estrutura conhecimento diferenciado, e estejam preparadas e receptíveis às mudanças. Ser bom não basta mais, tem de ser diferente. A revolução do conhecimento e comunicação é um processo contínuo e muito rápido. Nem bem aprendemos a lidar com uma ferramenta, outras surgem. A mudança faz parte do cotidiano das pessoas, no entanto gera conflito, tira-nos da zona de conforto, porque no mundo de hoje não há mais lugar para a inércia. Ou mudamos ou seremos alienados, porque os caminhos que nos trouxeram até aqui, não são os mesmos que nos levarão doravante.

As redes sociais surgiram com o objetivo de deixar as pessoas conectadas para receber formação e informação, estabelecendo ligações, partilhando interesses, trocando experiências, conhecimentos. A internet é uma ferramenta fantástica que veio para facilitar a vida das pessoas, colocando-nos em sintonia com o mundo, porém há que se estabelecer parâmetros, limite, horários para seu uso, porque está se transformando numa arma poderosa contra a humanidade. A inversão de valores, a irresponsabilidade, o desrespeito para com o outro, são problemas que vêm preocupando a todos.

Nosso país está vivendo um significativo momento nesta reta final de campanha eleitoral, e é inegável a força exercida pelas redes sociais nesse processo. Com apenas um clique recebemos e enviamos a qualquer parte do mundo as informações que queremos. Uma referência aqui ao WhatsApp, cujo objetivo é possibilitar a comunicação sem barreiras em qualquer lugar do mundo, no entanto grande parte da população vem banalizando seu uso, gerando uma situação preocupante à sociedade. A adesão às falsas notícias que circulam nas redes de forma irresponsável, compartilhadas sem prévia avaliação, evidencia a falta de criticidade das pessoas em relação aos conteúdos inverídicos, que por sinal, propagam-se mais rapidamente que os verdadeiros.

É vergonhoso o que vemos hoje em relação à campanha eleitoral. Falta espírito crítico em relação ao que se divulga. Ao invés de informações, são enxurradas de calúnias, desrespeito, incitação à violência. É preciso que as pessoas sejam educadas para o uso racional da tecnologia, a fim de que haja uma convivência saudável com ela.

Notícias Relacionadas

Inspirações para o ano novo

Bauer, Amin e Kleinübing

A baixa qualidade da educação brasileira

A professora e colunista Ana Maria Dalsasso questiona os pais sobre a qualidade da educação nas escolas públicas do país. E você, está satisfeito?

O poder da mídia

A professora e colunista Ana Maria Dalsasso avalia a relação da mídia atual com a divulgação de informações sobre o novo tipo de gripe, o H3N2, à população.