Geral

Após campanha, haitiano que vive em Braço do Norte consegue trazer os filhos ao Brasil

Por meio da colaboração dos corais da região da Capital do Vale, Nicorderme Remy alcançou o montante utilizado para documentação, passaporte e passagens

Foto: Divulgação/Notisul

A corrente de solidariedade em torno da família haitiana de Nicoderme Remy, de 38 anos, rendeu bons frutos nesta sexta-feira. Depois de um ano, ele e a esposa conseguiram levantar o dinheiro necessário para tornar possível o sonho do casal de reencontrar os dois filhos pequenos, que viviam no Haiti com familiares.

Apesar de o dinheiro representar um imenso passo, o caminho até a chegada de Nikevenson, 7 anos, e Valdenson, 5 anos, a família Remy contou com o apoio de muitos moradores da região de Braço do Norte para trazer os dois meninos ao Brasil. Nicordeme e Clousse Benoit, de 37 anos, vieram para o Brasil, porque no Haiti eles estavam desempregados. Sem ocupação e sem expectativas para seguir com suas famílias, os jovens que possuíam um primo que morava em Braço do Norte, decidiram arriscar e entraram ilegalmente no país. Foram quase seis mil quilômetros até chegar à Capital do Vale.

Ao chegar a Braço do Norte, os dois homens encontraram algumas dificuldades de adaptação, principalmente na hora da comunicação. No Haiti a língua oficial é o francês e o crioulo haitiano. No entanto, aos poucos foram aprendendo o português. Praticantes do catolicismo, a dupla conheceu a igreja matriz e começaram a frequentar as missas. A presença dos jovens manuseando uma bíblia escrita em francês chamou a atenção do maestro dos 18 corais das paróquias de Braço do Norte, Lourenço Müller.

Após um período para levantar o montante, os 18 corais comandados por Lourenço entregaram o valor arrecadado para Nicordeme para ele trazer os dois filhos pequenos para Braço do Norte. No ano passado, com o apoio desse mesmo grupo, ele e Clouse conseguiram trazer para o Brasil as esposas, o último, porém, também trouxe uma bebê, que na época tinha apenas alguns meses.

Com informações do Jornal Notisul

Notícias Relacionadas

Associação dos Haitianos de Criciúma reforça pedido de ajuda

Dois irmãos precisam retornar ao país de origem e para isso precisam de R$ 4 mil para arcar com despesas de passagem.

Haitianos e Ganeses que vivem em Criciúma pedem aulas gratuitas de Língua Portuguesa

A iniciativa partiu dos próprios imigrantes, que levaram o pedido ao poder público de Santa Catarina.

Haitianos iniciam curso de Língua Portuguesa oferecido pelo Unibave

Basquete feminino da FME de Criciúma/Mampituba/Satc disputa final da de Estadual Sub-16

Triangular final ocorrerá em Balneário Piçarras neste fim de semana