Geral

Após eleições na Argentina, dólar aproxima-se de R$ 4

Bolsa do país vizinho fechou com queda de 37,9%.

Divulgação

O resultado das eleições primárias na Argentina refletiu-se no mercado financeiro brasileiro. O dólar comercial fechou esta segunda-feira (12) vendido a R$ 3,984, com alta de R$ 0,042 (1,06%). Esse foi o maior valor para a divisa desde 28 de maio (R$ 4,02).

No mercado de ações, o Índice Ibovespa, da B3 (antiga Bolsa de Valores de São Paulo), também teve um dia turbulento e encerrou aos 101.915 pontos, com desvalorização de 2%.

O mercado financeiro da região atravessa momentos de volatilidade, após o candidato da oposição às eleições presidenciais argentinas, Alberto Fernández, ter obtido 47,65% dos votos na votação primária de ontem (11), contra 32,08% do presidente Alberto Macri, que tenta a reeleição. O índice Merval, da Bolsa de Buenos Aires, caiu 37,93% apenas nesta segunda-feira, na maior queda diária no mercado de ações na história do país.

Ao longo do dia, o dólar chegou a superar a barreira de 60 pesos argentinos, mas fechou em 52,14 pesos. A moeda do país vizinho desvalorizou-se 14,99% somente hoje. Para conter a saída de capitais, o Banco Central da Argentina aumentou os juros básicos do país para 74% ao ano. O risco país argentino, que mede a probabilidade de o país dar calote na dívida pública, encerrou esta segunda-feira em 1.936 pontos, contra 1.017 pontos de sexta-feira (9).

Com informações do site Agência Brasil 

Notícias Relacionadas

Novos nomes do PSD se reúnem para discutir ações para as eleições deste ano

Deputado Peninha busca apoio para aprovar PEC que unifica as eleições

Texto recebeu parecer favorável do relator na Comissão de Constituição e Justiça

Eleições Coorsel: Vitorassi e Pedro Tezza são reeleitos com mais de 80% dos votos

Atualmente, a Coorsel atende mais de 11 mil associados e 7.645 consumidores nas cidades de Treze de Maio, Orleans, Pedras Grandes e Tubarão.

Caminhoneiros de Santa Catarina estão presos em forte nevasca na Argentina

Sem local para tomarem banho e com pouca reserva de comida, um grupo de 400 caminhoneiros estacionaram os caminhões em um pátio de uma petrolífera.