Geral

Blitz em Nova Veneza registra alto índice de veículos transportando mercadoria sem nota fiscal

No total 40 veículos foram abordados, sendo que cinco transportavam mercadoria sem a nota fiscal.

Foto: Antônio Rozeng

Apesar no número de veículos abortados ser o menor de 2018 (40), o índice de veículos transportando mercadoria e sem nota fiscal é o maior deste ano, ou seja 29,41%. A blitz do programa com “Nota Fiscal vai Legal”, que fiscaliza o transporte de mercadoria sem nota fiscal, foi realizado na manhã desta terça-feira (31) em dois pontos no município de Nova Veneza.

O primeiro na rodovia SC-446, que liga o distrito do Caravaggio ao centro do município neoveneziano. O segundo na rua Alfredo Pessi, que liga o centro ao distrito de São Bento Baixo. No total 40 veículos foram abordados, sendo que cinco transportavam mercadoria sem a nota fiscal.

Segundo o coordenador do programa, Ailson Piva, os números de irregularidades são altos, o que preocupa. “O transporte de mercadoria sem nota prejudica os municípios, já que impacta no retorno de ICMS. Menos recursos para prefeituras investirem nos municípios”, alerta.

A blitz contou com a presença de fiscais municipais, da fiscalização fazenda estadual, técnicos dos AMREC e o apoio da Policia Militar e Policia Rodoviária Estadual.

Colaboração: Antônio Rozeng – Assessor de Imprensa da AMREC

Notícias Relacionadas

Massa de ar frio avança e mínima pode ficar abaixo de 5°C durante a noite desta quarta-feira em SC

O dia começa com tempo instável, mas a chuva fica mais reservada durante a manhã e início da tarde.

Procon autua posto de combustíveis por preço abusivo em Criciúma

Operação irá fiscalizar 40 estabelecimentos do município, três já foram autuados.

Coronavírus em SC: Governador planeja retomada gradativa da atividade econômica e projeta 713 novos leitos de UTI

O objetivo é adequar as medidas de isolamento à necessidade dos catarinenses com segurança.

STF autoriza SC a utilizar recursos do pagamento da dívida com a União no enfrentamento da Covid-19

O pedido foi protocolado pela Procuradoria-Geral do Estado de Santa Catarina (PGE) para garantir que a União deixe de aplicar qualquer tipo de penalidade ao estado em razão da suspensão dos pagamentos.