Geral

Colégio Satc promove alimentação saudável com projeto ‘Descascar Mais e Desembalar Menos’

Alunos do 1º ano do Ensino Fundamental participaram de diversas atividades práticas e de orientação sobre saúde

Foto: SATC

Durante todo o semestre, os alunos do 1º ano Ensino Fundamental do Colégio Satc participam do projeto “Descascar Mais e Desembalar Menos”, promovido na aula de Educação Física. A proposta envolveu a percepção dos alunos sobre o que é a alimentação saudável, como a comida influencia no desenvolvimento na escola e na saúde de cada um. Para isso, atividades diversificadas foram promovidas com orientações, ludicidade e de forma prática.

Para introduzir a temática para os pequenos, a história da Maricota foi contada em sala de aula, despertando curiosidade e questionamentos. “Nas atividades de aula, promovemos saúde e bem-estar, mas também é nosso papel orientar as crianças sobre o que trazer nos lanches. De forma lúdica, trabalhamos o projeto trazendo a história do sanduíche da Maricota e a partir daí cada um começa a perceber sua própria lancheira. Também desafiamos as turmas a trazerem uma fruta por dia, pode ser a que mais gostam, mas que tragam todo dia. Assim o hábito começa a ser natural para os estudantes”, enfatiza a professora de Educação Física do Colégio Satc, Bruna Semeler.

Para que a iniciativa fosse mais visual, os alunos recolheram todo tipo de embalagem de alimentos que consomem em casa para mostrarem em uma aula didática. “Com a proposta do semáforo alimentar, as crianças aprendem de forma divertida sobre os alimentos. Então separamos tudo e fazemos uma analogia, o que está no verde pode comer, o que pertence ao amarelo eu posso consumir às vezes e o que está no vermelho eu devo acender um sinal de alerta e fugir deles”, saliente Bruna.

Piquenique Saudável

Para celebrar os ensinamentos e mudança de hábitos dos alunos, um piquenique com as turmas do 1º ano A, B e C foi realizado no campo da instituição.

“Para chegar até esse dia de encerramento do projeto, as turminhas tiveram uma palestra bem especial com a nutricionista Bruna Izidro. No encontro, foi destacada a importância dos alimentos, que alimentos são necessários para a gente crescer forte, com bastante saúde e que ajudam na aprendizagem no dia a dia na escola. Essa conversa é importante, para que as crianças entendem que esse hábito vai refletir até mesmo no futuro deles”, destaca Bruna.

A diversão e a partilha tomaram conta do piquenique, que foi repleto de alimentos saudáveis. Os amigos Carlos Gabriel de Souza e Théo Peruch Ferreira compartilharam o lanche. “A gente aprendeu a identificar os alimentos ultra processados, processados e em natura e o melhor para comer são os naturais. No piquenique saudável eu trouxe romã, carambola, kiwi, pitaya, suco de laranja 50% natural e um sanduíche natural. E o Carlos trouxe uva sem caroço e a gente está dividindo para experimentar um pouco de cada”, conta Théo.

O piquenique é uma proposta que incentiva a experimentação, para que cada criança desenvolva o esse hábito saudável alimentar também na escola. “Cada aluno optou em casa com as suas famílias para escolher um lanchinho saudável. Eles trouxeram frutas, sanduíches naturais, legumes, bolinhos caseiros feitos pela mamãe e papai. E foi algo muito legal, além do esperado, porque as crianças estão muito empolgadas com essa alimentação diária e saudável”, pontua a professora.

Notícias Relacionadas

Professores do Unibave passam por formação continuada com foco no planejamento e reflexão

O reitor do Unibave, Guilherme Valente de Souza, agradeceu os presentes

Estado destina mais de R$ 107 milhões em políticas públicas para agricultura no primeiro semestre do ano

O semestre também foi marcado pelo lançamento do Programa Leite Bom SC

Veículo carregado com garrafas de vinho argentino é apreendido em SC

Entre as garrafas apreendidas, havia um rótulo que chega a custar quase R$ 1 mil cada

Preço da gasolina volta a subir e se aproxima dos R$ 6

Apesar do aumento, este não é o maior preço registrado no ano. O pico aconteceu entre 12 e 18 de maio, quando o litro chegou a R$ 6,03