Saúde

Coronavírus em SC: Medidas de distanciamento social salvam vidas no Estado

O estado foi o primeiro a restringir a circulação de pessoas para evitar a disseminação da doença.

Divulgação/Secom

Pouco mais de dois meses após adotar as medidas de isolamento social, Santa Catarina já colhe resultados positivos no combate à pandemia do novo coronavírus. O estado foi o primeiro a restringir a circulação de pessoas para evitar a disseminação da doença. Como consequência, hoje se encontra em uma condição favorável em relação ao restante do país, com a menor taxa de letalidade entre os estados do Sul e Sudeste (1,57%).

O governador Carlos Moisés atribui esse resultado a três fatores: o empenho dos catarinenses na adoção das medidas de isolamento social, o esforço do Governo do Estado na ampliação da infraestrutura hospitalar e a dedicação dos profissionais da saúde que estão na linha de frente.

“Salvar vidas é a nossa prioridade. Nossa taxa de letalidade é quatro vezes menor que a do Brasil. Isso significa que um paciente com coronavírus em SC tem mais chances de cura, na comparação com a média dos outros estados”, expõe.

Ele alerta, no entanto, que o resultado positivo não pode ser motivo para descuidos daqui pela frente: “A população aqui faz a parte dela e deve se manter consciente, só sair de casa quando realmente necessário. E, se precisar, sempre usar máscara, manter distanciamento e higienizar as mãos constantemente”.

Confira os números da pandemia em Santa Catarina

– A taxa de letalidade de 1,57% dos catarinenses é a menor entre os estados do Sul e Sudeste e a segunda menor do Brasil, conforme os dados divulgados pelo Ministério da Saúde neste domingo, 24.

– No Brasil, um em cada 10 mil brasileiros perdeu a vida em razão da Covid-19. Em Santa Catarina, a pandemia vitimou um em cada 68 mil catarinenses.

– Santa Catarina tem 15 mortes para cada 1 milhão de habitantes, o sexto menor índice do Brasil. No país, a média é de quase 108 óbitos por milhão de pessoas.

– O percentual de ocupação dos leitos de UTI de Santa Catarina, atualmente em 62,4%, é o segundo menor entre os estados do Sul e Sudeste.

– Desde o início da pandemia, 396 leitos de UTI foram criados em todas as regiões, ampliando a capacidade do sistema público de saúde em Santa Catarina. Pacientes que recebem tratamento adequado e não ficam na fila têm mais chances de cura.

– O Estado tem hoje mais de 3,9 mil catarinenses recuperados e já realizou mais de 32 mil testes, o que ajuda a isolar imediatamente o paciente, e evitar a propagação do vírus.

– Santa Catarina monitora de perto a ocupação dos leitos de UTI em todas as regiões e adota medidas específicas conforme cada situação, com apoio e autonomia para os prefeitos decretarem restrições mais rigorosas quando necessário: semana passada uma operação foi montada para equipar a Região Oeste, que tem apresentado maior crescimento de casos no momento.

Divulgação/Secom

Notícias Relacionadas

Coronavírus em SC: Governo do Estado estabelece novas medidas para o transporte aquaviário e comércio de refeições nas rodovias

A comercialização de refeições pode ser feita por restaurantes localizados às margens das estradas e oferecida exclusivamente para profissionais de serviços considerados essenciais pelo Governo do Estado, incluindo nesta categoria os transportadores de carga responsáveis pelo abastecimento e transbordo de insumos da saúde.

Estado garantirá tratamento anual de R$ 2,7 milhões a criança de Laguna com AME, decide TJ

De acordo com os autos, a perícia médica comprovou que a criança, natural de Laguna, precisa do remédio e que inexiste, na rede pública de saúde, tratamento para a doença.

Com investimento de R$ 3,9 milhões, Estado entrega unidades de assistência social em Armazém, Rio do Oeste, Lontras e Florianópolis

Cada uma das unidades conta com sala de atendimento familiar, administração, recepção, cozinha, banheiro, área de serviço, sala multiuso, área externa coberta e mobília.

Inovação e tecnologia ampliam a prestação de serviços digitais do Estado ao cidadão durante pandemia

Com aplicativos, sites e plataformas digitais, secretarias e órgãos de Estado adaptaram suas rotinas e substituíram o atendimento presencial pelo online.