Saúde

Covid-19: 87% dos mortos em Criciúma não tinham esquema vacinal completo

Levantamento da Vigilância Epidemiológica do município leva em conta os óbitos em janeiro

Divulgação

Um levantamento da Vigilância Epidemiológica de Criciúma apontou que 87,5% dos pacientes mortos por coronavírus na cidade estavam sem o esquema vacinal completo. O estudo levou em conta os 16 óbitos registrados no mês de janeiro. Destes, apenas dois tinham recebido as três doses do imunizante.

Foram cinco mortes de não-vacinados, enquanto outros nove estavam com o status incompleto. Todos os 16 mantinham algum tipo de comorbidade.

“Tínhamos o objetivo de saber o porquê desse número de mortes, visto que temos vacinas disponíveis para todos. Os dados nos ajudam a conscientizar a população da importância da vacinação completa, que envolve segunda dose e dose de reforço. Quando você chega no prazo da sua segunda dose ou da sua dose de reforço, você deve fazer, porque os números nos mostram que realmente o esquema vacinal completo salva vidas”, detalha Andréa Goulart de Oliveira, coordenadora municipal da Vigilância Epidemiológica.

No mesmo período, foram registrados 1.136 casos da doença, uma redução de 35% em relação ao ano passado, no momento em que as primeiras pessoas estavam sendo imunizadas na região. O número de mortes foi 16% menor em comparação a janeiro de 2021. Já as internações caíram em 65%.

Segundo Acélio Casagrande, secretário de Saúde de Criciúma, o avanço da variante Ômicron, combinado com o relaxamento das medidas de segurança, fez com que o último mês registrasse um dos maiores índices de transmissibilidade desde o início da pandemia. No entanto, ao contrário dos outros picos de contágio, as quantidades de óbitos e internações não acompanharam o aumento de casos.

Criciúma registra três mortes em 24 horas

O informe diário divulgado ontem pela Vigilância em Saúde de Criciúma mostra que a cidade tem atualmente 822 casos ativos de Covid-19. Há uma semana, este número era de 1.318. A quantidade de internados também diminuiu. São 46, sendo 17 em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e 26 em leitos clínicos. Entre os moradores de Criciúma, oito hospitalizados não tomaram a vacina, e 11 pararam na segunda dose. Outros oito estão com o esquema vacinal completo.

O município contabilizou três novas mortes. Tratam-se de dois homens, de 88 e 54 anos, e uma mulher, de 86. Com isso, o total de vítimas fatais da doença subiu para 697. O mês de fevereiro, nas primeira duas semanas, já superou janeiro. Foram 18 óbitos registrados até o momento.

A Secretaria de Saúde já aplicou 406.782 doses de vacina em criciumenses, das quais 185.545 destinadas à primeira, 162.702 à segunda e 58.535 para a de reforço. Crianças de cinco a 11 anos já receberam 4.236 doses pediátricas.

Mortes registradas em janeiro de 2022 por Covid-19 em Criciúma:

Divulgação

Não vacinados: 5

Status incompleto: 9

Três doses aplicadas: 2

Total: 16

Com informações do TNSul

Notícias Relacionadas

Embarcação vira com quatro pescadores no Balneário Rincão

Ocorrência foi atendida pelo Serviço Aeromédico (Saer)

Covid-19: chega ao fim estado de emergência em saúde pública no Brasil

Segundo o governo, nenhuma política pública de saúde será interrompida

Homem de 57 anos é preso após tentar beijar menina de 11 anos à força, em Orleans

Fato ocorreu na Rua Aristiliano Ramos, na tarde deste sábado, dia 21.

Número de transplantes de rim caiu nos últimos dois anos

Sociedade Brasileira de Urologia lançou campanha para estimular doação