Geral

Covid-19: entrega de vacinas da AstraZeneca aguarda dados de testes

Pico de infecções no verão britânico atrasou resultados do teste

Divulgação

Um pico de infecções por coronavírus durante o verão britânico atrasou os resultados do teste da possível vacina contra covid-19 da AstraZeneca, levando a farmacêutica a adiar a entrega de vacinas ao governo do Reino Unido.

Ontem (4) a AstraZeneca informou que só receberá 4 milhões de doses da vacina em potencial neste ano – a estimativa inicial era de 30 milhões de doses até 30 de setembro.

Nesta quinta-feira (%), a AstraZeneca disse que está segurando as entregas enquanto aguarda os dados de testes clínicos de estágio avançado para maximizar a duração dos suprimentos nas prateleiras.

A empresa está mantendo as vacinas congeladas em grandes contêineres e só acrescentará um último ingrediente, mantendo-as em frascos e preservando-as em temperatura de geladeira quando a vacina estiver perto de obter uma aprovação.

“Estamos um pouco atrasados nas entregas, e é por isso que a vacina vem sendo mantida em forma congelada”, disse o presidente executivo, Pascal Soriot, em uma teleconferência.

Soriot acrescentou que a AstraZeneca está “totalmente” preparada para lançar a vacina quando estiver pronta e disse que o cronograma semanal de entregas da empresa deve acompanhar aproximadamente o que o governo britânico tem em mente para seus planos de vacinação.

A AstraZeneca e sua parceira no projeto, a Universidade de Oxford, disseram que os dados dos testes de estágio avançado devem surgir ainda neste ano.

Notícias Relacionadas

Rua Prefeito Flávio Righetto, em Lauro Müller, começa a receber sinalização

A sinalização faz parte do projeto de revitalização em todas as 17 ruas, trazendo segurança para motoristas e pedestres

Governo de Lauro Müller finaliza a pavimentação asfáltica na rua Prefeito Benjamin Bittencourt

Foram pavimentados cerca de 3.090 metros quadrados da via

Acidente com carreta interdita sentido Sul da BR-101 na Grande Florianópolis

Interdição durou 6 horas; motorista morreu carbonizado

Diego Maradona morre aos 60 anos

Maior jogador da história do futebol argentino sofreu uma parada cardiorrespiratória em sua casa em Tigre, segundo o jornal argentino 'Clarín'. Ele havia passado por uma cirurgia no cérebro no início do mês.