Segurança

Dono de conveniência mata assaltante a tiros durante roubo em SC

Proprietário surpreendeu bandido com disparos e matou invasor

Divulgação

Um homem foi morto a tiros depois de invadir uma loja de conveniência em Camboriú, no Litoral Norte de Santa Catarina, e anunciar um assalto. O dono do estabelecimento foi quem disparou contra o criminoso, que morreu antes mesmo da chegada do socorro. A ocorrência foi registrada na noite desta quarta-feira (10).

A Polícia Militar foi acionada às 20h30min. Ao chegar em uma conveniência do bairro Monte Alegre, encontrou o assaltante de 30 anos caído na calçada, já morto. O dono da propriedade, de 27 anos, relatou aos agentes que estava no segundo andar do imóvel quando escutou o ladrão entrar e ameaçar os funcionários.

O homem então pegou a pistola que tinha registrada no nome dele, desceu e atirou contra o invasor, que morreu na hora. A Polícia Civil foi ao local, assim como peritos, para avaliar o ocorrido. O proprietário foi levado à delegacia para ser ouvido, mas liberado na sequência.

Conforme a PM, a perícia encontrou com o morto um simulacro de arma de fogo, quatro garrafas de bebida alcoólica e dois celulares. Ele estava foragido por não ter retornado da saída temporária de 14 dias. Com diversas passagens policiais, a última prisão foi por um roubo cometido com retenção de liberdade da vítima.

Com informações do NSCTotal

Notícias Relacionadas

Jovem morre afogado após salvar criança e adolescente no rio em SC: “Herói”

Corpo de Eduardo Cordeiro foi encontrado na manhã deste domingo (5)

Criança de seis anos é resgatada após queda de dois metros, em Paulo Lopes

Aeronave transportou a vítima até o Hospital Infantil Joana de Gusmão, em Florianópolis

Defesa Civil de SC emite alerta para temporais neste domingo com vento forte e granizo

Dia de altas temperaturas pode ter registro de chuva intensa em um curto intervalo de tempo por todo o Estado, de acordo com a Epagri/Ciram

Beach clubs de Jurerê têm que demolir estruturas feitas após 2005, determina STF

Para o advogado, o STF não determina a demolição das estruturas, e afirma que elas podem ser "readequadas" a partir de requerimento